Pular para o conteúdo principal

Arquivo-morto

Vai lembrar que um dia existiu um alguém que só carinho pediu. 
E você fez questão de não dar. 
Fez questão de negar. 
(Maysa)

Durante algum tempo (para ser mais exata, quatro anos), eu acreditei que você já não significava nada para mim. E que poderia aparecer a hora que quisesse, namorar a primeira garota que surgisse e eu não me importaria. Eu achei que seu nome tinha sido deletado da minha memória (assim como os telefones, endereço e todo aquele efeito que você exercia sobre mim) e que você era um passado distante. Durante algum tempo, eu achei que eu já não me lembrava do seu jeito de falar, de sorrir, ou da sua voz e do modo como você sempre implorava pelo meu cafuné.

E então eu segui a minha vida sem me importar com você e sem querer ter notícias suas. Eu não me deixei apaixonar por outros garotos porque eu tinha visto durante um bom tempo como era sofrer por não ser correspondida. E cada vez que eu começava a gostar de alguém, eu me castigava, me afastava da pessoa ou fazia mentalmente uma lista de seus defeitos. Porque, depois de você, eu passei a ser daquelas covardes idiotas que acreditam que é melhor não ter do que ter e perder.

Durante quatro anos, você não foi mais do que uma lembrança (nem boa nem ruim). Mas, de um momento para o outro, você decidiu sair do arquivo-morto do meu cérebro e vagou até a parte que me faz lembrar de você todos os dias. E, de repente, eu já tinha medo de te encontrar na igreja, porque eu sei que acabaria te perguntando como você andava e você acabaria me contando aquela notícia que eu já sabia: que você está namorando uma garota linda, perfeita e muito diferente de mim. Eu daria aquele sorriso amarelo que você odiava e diria que eu estava bem também.

Então antes que você volte a fazer todo aquele alvoroço aqui dentro, eu te digo: não.

Nem pense em ir direto para o meu coração. Ele está vazio, mas isso não quer dizer que haja espaço para você. Eu não sou mais aquela garota do amor platônico. Portanto, se é tão difícil assim sair da minha cabeça, pelo menos volte lá para dentro, em um lugar fora do meu alcance. Fique longe de mim e de meus sentimentos. Vá bem fundo, dê uma volta com meus neurônios, mas por favor, por piedade, me esqueça e fique no passado. Porque de todas as lembranças, você era o futuro que eu tinha planejado.

Comentários

  1. uow kah *-* volte já, run.

    seu blog ta maaara (L

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente disse tudo. Karine, como seus textos são maravilhosos. Me inspiram. Mas isso eu não canso de dizer. ♥

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …