Pular para o conteúdo principal

Enfim, sós

Ela quase pediu para ele ficar. Mas não pediu.

Ele quase ficou. Por alguns segundos...quase. Não ficou.

Tiveram medo. De passarem por idiotas, bobos, apaixonados. Não estava tudo invertido, afinal? Era impressão ou eles estavam com medo de sentir? Era impressão ou o mundo estava completamente de cabeça para baixo? Era impressão? Onde estava o amor?

Dessa vez não havia gritos, lágrimas, brigas. Nem reconciliações. Dessa vez não havia dor, rancor, desilusões. Nem alegrias. Dessa vez não tinha começo de nada. Mas era o terrível, inevitável e sofrido fim de tudo.

Ela quis perguntar. Se não tinha sido o suficiente. O amor que lhe dera. Devia bastar. Não bastou. Teve medo da resposta. Não ousou perguntar.

Ele quis perguntar. Se ele, em suas imperfeições constantes e em seus erros cruéis, lhe dera, afinal, algum amor. Quis saber se ele era passível de sentir. Se ele podia. Não podia. Teve medo da resposta. Não ousou perguntar.

As palavras não saíram. Ambos haviam perdido, depois de tanto tempo, o costume do discurso. Não tentavam mais se convencer de que se completavam. Eles sabiam, se repeliam. Mas os olhos – ah, o olhos – disseram tudo o que sempre tiveram para dizer. Disseram o que o cérebro discordava. Disseram o que coração berrava. Disseram tudo, mais um pouco e até o que não deveriam dizer. Porque os olhos, como já se dissera, eram as janelas da alma. E quanta alma tinha ali. E quanto amor ainda tinha. E quanto amor um dia tivera. E quanto descaso...

Mas eles haviam desistido. Desistido deles. Porque amar era difícil. Porque amar exigia coração demais, alma demais, emoção demais, razão de menos. Porque amar não era fácil. Porque doía. Porque não tinha manual de instruções. Eles haviam desistido. Quem dissera que amar era fácil? Se não fosse difícil não seria amar, seria gostar. E gostar não causa o mesmo impacto. O mesmo frisson. O mesmo encantamento. Gostar é só gostar. E gostar passa. Amar não.

Não havia eles. Só ela e só ele. Só ele e só ela. 

Sem nós. 

Tão sós.

Comentários

  1. Eles não deveriam ter desistido.
    Ela deveria ter pedido.
    Ele deveria ter ficado.
    Amar é difícil +1

    ResponderExcluir
  2. As vezes o melhor é o adeus...

    ResponderExcluir
  3. As vezes o melhor é o adeus... +1
    Mas você é capaz de dá-lo e não sentir? Porque se você sentir, não é um adeus completo, se for pra ir, que vá inteira, sem desistir ou tentar, só prosseguir. Você sabe como? Eu não. Ninguém disse que foi fácil... mas como diz a canção " Não sinta nada. ", é, ninguém disse que isso seria viver da forma certa, também. Bom, pra quem gosta do fácil. Eu prefiro o dificil. Whatever, divaguei :)


    E eu que quero um autografo, garota!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …