Pular para o conteúdo principal

Você lembra?

Chegava cedo na sala. As camisetas amarelinhas ainda não eram tantas. Sentava no meu lugar e esperava. Esperava meus amigos, mas no fundo sabia que estava esperando você. E você chegava atrasado com seu moicano perfeito que deveria ter demorado horas para ficar pronto. E eu babava. Porque tinha essa mania chata de te achar o garoto mais fantástico do universo. Tinha essa mania boba de achar mesmo que você era a última bolacha do pacote. 

Fiz de você mais do que deveria ter feito. Mas era difícil pensar nisso enquanto você me dava aquele beijo estalado no rosto. Era difícil pensar nisso enquanto me abraçava. Ou enquanto você segurava minha mão e fazia meu corpo inteiro tremer. E eu não sentia minhas pernas, mas sentia tanto meu coração.

Eu sonhando com você. E você pedindo a fulana em namoro. E eu achando que eu era mesmo pouca coisa pra você. Talvez se eu fosse mais alta, magra, interessante, loira. Talvez se eu fosse muito menos eu e um pouco mais ela. Talvez se você olhasse para quem sempre esteve ao seu lado. Talvez se você lembrasse quem é que te abraçava quando você ficava mal. E você ficava mal. Mesmo querendo pagar sempre de bonzão. Mesmo se achando forte e macho e gostosão sempre e em todos os momentos. Você ficava mal. E era a mim que você procurava, lembra?

Mesmo não me achando suficientemente boa para você, embrulhei meu coração pra presente. Escolhi o melhor laço, a embalagem mais bonita. E você não quis aceitar. O coração caiu, se espatifou, se destruiu. Quebrou. E você seguiu seu rumo. Quis morrer em minha história assim como deve ter me matado na sua. Se é que algum dia eu tenha deixado de ser figurante em sua vida. Acabou minha novela. Tive que aposentar o protagonista. Outras novelas queriam entrar na programação.

Achei que eu não ia sobreviver. Sobrevivi. Com menos cor, menos riso, menos coração e menos você. Com mais vazio e mais saudade. Com mais achar que o amor era mesmo uma bosta e que eu não tinha nascido para isso. Com mais achar que eu não era boa o suficiente para ninguém. Por um tempo. Muito tempo. Só que tempo passa, lembra?

Eu fui tão forçada a aprender a viver sem você que aprendi. Tive tantas vezes que acordar e lembrar que você não iria estar lá que comecei a não pensar mais em você. Foram tantas vezes sem seu perfume, seu abraço, sua risada que fui sendo obrigada a esquecer essas pequenas coisas. E com o tempo, as grandes também. Fui tão obrigada a te matar em minha história que escolhi uma morte rápida e indolor. Dessas que não dá nem pra chorar. E te deixei no caixão. Por mais triste que seja. Mas me prender a você era o mesmo que andar em círculos. 

Fui tão forçada a aprender que eu não precisava ser boa o suficiente para ninguém que me tornei boa demais pra você.

Não sei.

Foi seu caminhãozinho que diminuiu ou minha areia que aumentou?

Comentários

  1. Li o início, tenho que sair do computador e depois venho comentar direito, hihi! Mas eu não podia deixar de comentar agora, tô com crises pseudofilosóficas hoje, heiaeihaei! Ka, você escreve MUITO MESMO, e eu vou te apoiar muito se seguir nisso (claro que apoio também se seguir outros caminhos, hehe) mas falo sério, AMO o que você escreve, porque além de ser correto, tem sentimento. Sinto que você escreve o que sente, como sente e eu me identifico, sabe... É muito bom poder se ver através dos outros, porque as vezes nós não nos encontramos. Então alguém é capaz de nos encontrar. E então encontramos esse alguém. Acho que é esse o primeiro passo pra nos encontrar... Nossa, to falando muito, :O Enfim, beeijos ;*

    ResponderExcluir
  2. Rsrsrs! É, querida, o mundo dá mesmo muitas voltas!

    ResponderExcluir
  3. Foi seu caminhãozinho que diminuiu ou minha areia que aumentou?

    ADOREI! Isso foi MUITO Tati Bernardi *-*

    ResponderExcluir
  4. VOCÊ É PURO ORGULHOO *-*

    Foi seu caminhãozinho que diminuiu ou minha areia que aumentou?

    ADOREI! Isso foi MUITO Tati Bernardi *-*

    (2)

    TE AMOOOOO

    ResponderExcluir
  5. Caara, morri! Li tudo, aeae, *-* Sério, tudo lindo mesmo, como eu comentei antes, é bom demais se ver nas palavras... Amei.

    Beeijos ;*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …