Pular para o conteúdo principal

Uma realidade falsa e nossa vida paralela

Você disse que mandaria notícias logo. No último email que me enviou. Isso faz exatamente dois anos e você nem sequer apareceu para dizer se estava vivo. A gente não tinha um compromisso, a gente não namorava, a gente não devia explicações um ao outro. Mas eu esperei as notícias. 


De todas as minhas histórias meio tortas, você é a mais torta de todas. De todos os meus amores meio declarados, você foi o mais escondido. De toda a minha realidade, você foi a parte mais falsa. 


Você não foi meu namorado, não foi uma paixão, não foi meu amor platônico, nem chegou a ser um amor. Você era só aquele que me ouvia (ou lia) quando eu queria muito escapar da minha própria vida. Quando eu estava muito cansada da minha rotina e você cansado demais da sua.


E eu era só aquela que te animava e acreditava que sua banda um dia seria famosa. Eu era só aquela que escutava você cantando no microfone a qualquer hora no msn. E você era só quem me dava notícias daquele que nunca aparecia. A gente começou tão amigo por causa de um terceiro e depois a gente nem lembrava mais desse terceiro. A gente só se importava com a gente. E essa era a melhor parte de todas.

Você foi só mais um desses passatempos bobos quando eu quero fugir de tudo e de todos que me cercam e quando eu quero um pouco de paz. Você foi só mais um desses relacionamentos rápidos e passageiros que eu resolvo ter só para esquecer que relacionamentos sérios me pesam e doem. Você era só meu sorriso no meio da madrugada nas férias. Você era quase meu tudo ao mesmo tempo que não era nada. 


E eu achava tão bom e tão gostoso ter você só pra mim, sem precisar dividir nossos segredos com mais ninguém e sem precisar ter alguém sempre cobrando se vai dar certo, se vai dar errado, se já passou. Não tinha nada pra dar certo ou dar errado. Mas isso era uma coisa só nossa e eu amava. 


Eu quis fingir que eu te tinha assim como eu fingi que aquilo era real, que amizades virtuais são eternas, que não iria mesmo passar. Eu sabia que era tudo uma mentira, mas fingir que era verdade foi a parte mais engraçada da história. Logo eu, que vivo dizendo que quero alguém de verdade, um relacionamento de verdade, um amor de verdade, uma história de verdade, sou a que mais sinto falta da nossa realidade falsa.

Aquela era só uma vida paralela, uma tecla de escape, um pedaço sem câmeras de um reality show, um caminho alternativo na trilha da montanha, um mundo de mentira. No fundo, você era alguém em Floripa e eu alguém em São Paulo. Você era o meu Edu e eu era a sua Ká. No fundo eu não era sua, você não era meu. No fundo, sem máscaras dessa vez, era só uma realidade fake. E só.  

Comentários

  1. meu deeeuuus eu tive um Edu. ahahha q sumiu e nunca mais voltou Oo

    Mas as vezes é a melhor coisa que ele fez!

    ResponderExcluir
  2. Nossa que lindo *-* Eu tive alguns Edu's, na verdade deve ter sido um ou dois. Mas é a verdade mesmo, amizades virtuais não duram muito tempos, apesar de eu ter muitos amigos virtuais, eu sei que não são pra sempre, mesmo que agente queira que a realidade falsa seja a realidade verdadeira, isso não acontece :/

    Mas ta lindo o seu texto amigs *-* adorei :)
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  3. E como é possível ter saudade de alguém que você nunca tocou? Como é possível se sentir tão de alguém que nunca foi seu? É um sentir irreal e impossível, mas que ao ouvir a voz, ao contemplar o sorriso dessa pessoa, faz de tudo tão real... é, coisas do amor ;)

    lindo post ;)
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. ê, eu me sinto exatamente igualzinha a voce, fofa.
    dói né? o tempo passa e vai levando a dor, mais a cicatriz fica.

    essas malditas expectativas que criamos --'
    blá.

    adorei aqui, tô seguindo :)
    e vou no seu novo blog de crônica tá?


    ;**

    ResponderExcluir
  5. Sem comentários, esses assuntos não me rendem boas ideias! HSUAHSUA
    lindooooo kah e a nossa amizade que era virtual, agora é apenas uma amizade separada pela distancia.

    s2

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …