Pular para o conteúdo principal

Por me deixar partir

Guardo você na parte mais profunda que tenho. Vez ou outra dou uma olhada para saber se está bem. Se precisa de ajuda, se me quer por perto. Tenho medo que um dia você me pareça feliz e alegre o suficiente para me mostrar que eu não significo mais nada. Tenho medo que um dia eu me pareça feliz e alegre o suficiente e isso queira dizer que você não significa.

Tenho medo desses nossos silêncios eternos que nunca querem dizer nada, mas acabam de um jeito meio cruel dizendo mais do que tudo. E desses nossos gritos que não querem dizer nada além de demonstrar o quanto nós temos tanto medo. E tenho saudade dos nossos calores juntos que tornavam-se vulcões. Tenho saudade do sorriso e tenho saudade das lágrimas. Tenho saudade de sentir qualquer coisa que envolvesse você por perto. E não suporto a saudade de sentir você tão longe.

Fico ansiosa esperando qualquer telefonema seu. Qualquer sinal de vida. Qualquer respiração do outro lado da linha. Às vezes me pego aceitando seus gritos e berros e xingamentos. Se isso quisesse dizer que você ainda se importava. Às vezes me pego querendo qualquer parte sua. Querendo você.

Corro para longe no anseio de correr para perto. Me desligo para não ter que ver de camarote como seria você sem mim, e te mostrar como eu sou sem você. Corro para não dizer que tudo o que eu mais quero é não mais querer você.

Aguardo calada o nosso passado vindo à tona. Aguardo calada nossa próxima briga. E a reconciliação que nunca veio. Aguardo calada que eu te supere e aguardo que você deixe de me superar. Que você se lembre.

Só queria me perder de você. Que eu pudesse deletar seus resquícios em mim. Só queria poder escolher não lembrar dos nossos momentos, rasgar nossas fotos. Só queria que eu tivesse você como meu passado de infância: que a gente sabe que aconteceu, mas não se lembra com detalhes.

É ridículo e infantil e grotesco, mas eu queria te perder. Te tirar de mim como se você nunca tivesse existido. E só de querer isso já dói. Porque escolher desistir é dar um ponto final nessa nossa história cheia de ponto-e-vírgulas. É acabar com algo que só teve início e meio e tardou. É ficar mediana entre nossos altos e baixos. É vomitar tudo o que ainda me apega a você. É esquecer. Especialmente esquecer.

Sua morte em mim é como a morte de alguém doente. Dói porque morreu, mas a notícia já vinha sendo dada há tempos. Nesse velório eu não vou de preto, mas vestida de liberdade. Livre de um amor que era só seu e não meu. Livre de uma dor que era só minha. Livre de alguém que foi meu fim e livre para ser o meu próprio começo.

Fica aqui a minha despedida. O meu partir. O meu pesar. Fica aqui a parte que gostava e amava e sofria. Fica meu abraço, meu carinho, meu amor antigo. Adeus à você e a sua memória. Sei que esse é o nosso the end e que não tem mais jeito, continuação nem nada. E isso dói pra caralho.

Mas, apesar de tudo, não me esquece não. Não deleta minhas fotos, não exclui nosso passado em você. Me deixa sozinha, não me faça lembrar, mas não me esquece não. Não esquece do meu abraço, do jeito que eu sempre sabia o que falar. Dos nossos segredos só nossos. Lembra de mim todo dia e se arrepende por ter me deixado partir. Mas se me ver na rua, finja que não me conhece. Ah, que tolice a minha: isso você já faz toda a vida.

Comentários

  1. Quem te contou minha historia???
    que lindo esse texto menina! Parabéns! De verdade!!! =)

    ResponderExcluir
  2. Textoo lindoo mesmo =)
    amei!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …