Pular para o conteúdo principal

Tequila, limão e sal.

Ela tentou se lembrar, antes de dormir, os nomes das bocas que tinha beijado naquela noite. Nada. Tentou se lembrar se eles tinham rostos, além de bocas que beijavam. Nada. Só sorrisos e nada mais. Não se lembrava ao certo o que tinha conversado com nenhum deles. Deles? Quantos eram mesmo? Ela se virou em sua cama e abraçou o travesseiro. Ninguém por ali para conversar agora, abraçar. Nem tinha nenhum beijo agora. Só o tunts tunts ressoando em seus ouvidos e seus pés latejando, a lembrando que dançar muito com o salto 15 não soava tão boa ideia agora. A roupa, que antes cheiraria cigarro, só tinha cheiro da quantidade de álcool que tinha derramado ali, porque tinham feito uma tal de lei anti-fumo em sua cidade. A noite passava em alguns lances em sua memória e parecia que existia o antes e depois da tequila. Três beijos ali, mais um aqui, acolá, assim assim. Nada de grandes memórias. Nem tinha muito o que contar. Agora só silêncio, o travesseiro e a lua que aparecia na janela. Tinha um tempo que fazia corações no caderno e sonhava com o príncipe encantado. E então tinha decido correr atrás de todos os lobos maus que lhe aparecessem. Tinha um tempo que coca-cola era melhor que vodka. Agora a ideia era misturar e ser feliz. Era uma princesa vestida como a chapeuzinho-vermelho. A bela adormecida tinha acordado há muito tempo. Tinha sonhado com contos-de-fadas tanto tempo que agora aquelas histórias a enjoavam. Felizes para sempre? Quem foi que falou em sempre? Quem foi que falou em final? Mas a noite foi ótima. E valeu a pena? Tinha sido como ela esperava? Nem lembrava. Quantas bocas mesmo? E vazio. Então ela entendeu: nenhuma daquelas roupas, nenhuma daquelas baladas, nenhuma daquelas tequilas. Beijo nenhum. Ela entendeu: boca nenhuma acabaria com o vazio do amor que nunca teve. Simples assim. E prometeu a si mesmo: uma dia ia ser amada, mesmo que não amasse de volta. E virou a tequila. Limão e sal. Enjoy it.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…