Pular para o conteúdo principal

Cinza


“E de vez em quando tudo o que a gente quer é mesmo dar um tempo da vida.”
(Tati Bernardi)




Alguns dias nublados me fazem pensar em suicídio. Calma, não precisa começar a procurar a carta de despedida ou olhar pela janela se eu não tô lá estatelada no chão. Não é isso. Mas é que é cinza. E, vá lá, cinza não é das cores preferidas da maioria das pessoas. Cinza me dá sono e preguiça e vontade de ficar na cama o resto da eternidade. É isso: esse suícidio de um dia, esse direito de não existir. Dias nublados me dão vontade de não existir. Aquela vontade de não levantar e não tô falando de depressão ou tristeza profunda ou qualquer coisa de gente que pensa realmente em deixar de existir pra sempre. É só essa preguiça que dá de levantar da cama e tomar café e sorrir e falar e ouvir e tudo que a gente precisa fazer quando existe. Às vezes não dá vontade. É só uma necessidade absurda de abraçar o travesseiro e falar: tá, quando o sol voltar me chama. Não dá pra se sentir triste e frustrado e cansado em dias de sol. Dias ensolarados alegram na força, na marra, é tipo uma obrigação. O sol quente tá lá te gritando: e aí, minha filha? Olha esse céu azul, olha eu e você aí deitada sofrendo? Vai viver, garota, vai existir por aí e coloca uma roupa colorida! O Rio de Janeiro me entenderia. Ele e seu sol e seu mar e seu céu e seu Pão de Açúcar e seu Cristo Redentor. O sol é o Cristo do Rio, com seus braços abertos e gritando: dá pra ser triste comigo aqui? Dias nublados deveriam ser feriado nacional: tudo bem, galera, pode colocar aquele filme na tv, pegar o chocolate quente e vegetar. Deveria ser lei: o direito à não-existência. Só naquele dia, durante algumas horas. Sem ouvir ou falar ou sorrir ou tudo o que a gente precisa fazer quando existe. Só o direito de não ter que levantar e tomar café e ir pra faculdade e fazer prova e pensar em um assassinato qualquer. Só o direito de não ter que seguir a rotina do dia a dia. É isso: dias nublados deveriam ter uma balada, festa ou algo do tipo. Pra compensar. Vai sair pra compensar o dia. Vai existir um pouquinho depois de não ter existido o resto do dia. Ou talvez não. Ou talvez nem a festa ou a balada compensem. O travesseiro ainda seria mais atraente e o filme e o chocolate. E a espera do sol pra tudo voltar ao normal e a rotina e o sorriso e falar e ouvir e gritar e viver. Dias nublados me fazem pensar em não existir. Posso?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…