Pular para o conteúdo principal

O dia que eu superei você

Outro dia te vi na rua. Foi quando descobri que todo aquele papo sobre estar mudando era mesmo verdade. Se eu te contar que não tremi dos pés a cabeça, você acredita? Não tremi. Aí descobri que aquele amor platônico e unilateral que eu nutri por você durante todos esses anos simplesmente acabou.

Olhei pra você e de repente sua boca meio arroxeada me irritou de um jeito. Seu moicano tava bagunçado e eu lembro que eu pensei que tinha uma época que eu achava seu cabelo a coisa mais maravilhosa do universo. Não senti a necessidade imensa de me esconder porque não me achei bonita o suficiente para que você pudesse me ver e todas aquelas baboseiras. Simplesmente passei por você sorrindo como nunca tinha sorrido na vida. 

E ali estava o que eu mais tinha esperado durante todo esse tempo: eu tinha te superado. É verdade, talvez eu não tivesse te esquecido, porque senão eu nem me importaria em reparar o que me agrada e o que não me agrada mais em você - eu simplesmente passaria. Talvez eu esteja no processo. Mas eu não tremi - e você há de convir que isso já é lá grande coisa. 

Você me olhou dos pés a cabeça e assumo que adorei a sensação de ver você reparar em mim depois de todos esses anos. Não acho que eu esteja assim tão mudada para merecer só agora sua atenção. Mas talvez seja como digam: quando a gente começa a se sentir bonita (mesmo que um pouco)...

Você me olhou e sorriu, e pode ser prepotência, mas eu sei que você pensou na época que você poderia me ter a qualquer momento, quando quisesse, nas mãos. Eu sei que você lembrou. Eu sei que, lá no fundo, bem de leve, bateu aquele arrependimento por ter me tratado só como mais uma. 

Sei que você sentiu falta da nossa amizade e de quando eu te fazia cafuné. Não sei como eu sei, mas eu sei que você sentiu falta de mim ao me ver. E te doeu muito perceber que eu não sentia sua falta. Nós não nos falamos, o que é normal já que a gente não se fala há um tempo. Mas eu resolvi te dar um recado com meus olhos e, pelo jeito que você pareceu surpreso e assustado ao me ver, acho que entendeu.

Tinha um brilho, algo que você nunca tinha visto em mim. Um quê de mistério, força, carinho, compaixão, compreensão. Eu sei que você viu, no fundo dos meus olhos o aviso: "um dia a lagarta vira borboleta".

Comentários

  1. oi linda que mensagem linda em vc que criou adorei beijos simara obrigada pela visitinha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …