Pular para o conteúdo principal

Inferno Astral.

Não gosto muito desse período que antecede o dia do aniversário. Na verdade, não gosto nada. Dizem que é inferno astral e talvez seja mesmo. O que eu sei é que eu não gosto. Na verdade, não sou muito fã nem do dia do meu aniversário. Fico tentando pensar 'dia de comemorar, mais um ano de vida'. Mas, na real, eu só consigo pensar que é só um dia, enquanto o que importa mesmo é o resto do ano. Dessa vez, o que me dá medo mesmo é confirmar tudo o que eu venho pensando e sentido nesses últimos tempos. Tenho medo que ninguém ligue para desejar parabéns. Tenho medo que as pessoas que eu julgo importante esqueçam. Tenho medo que lembrem e não se importem. Tenho medo de me sentir de escanteio em um dia que eu deveria ser a protagonista. Tenho pavor de olhar o celular a cada segundo esperando que determinadas pessoas mandem pelo menos uma mensagem. Pior ainda por já saber que elas não vão mandar. Tenho medo de estar entre um monte de gente e me sentir incrivelmente sozinha. Tenho medo da falta de um abraço de verdade que queira dizer "eu te amo, quero ficar com você em muitos outros aniversários" e não que signifique "valeu por ter me convidado pra festa". Não quero festa. Não quero comemorar esse ano. Na verdade, eu queria só fechar os olhos e fazer qualquer coisa e nem lembrar que dia é. Sempre faço isso. Acordo e faço tudo normalmente até alguém vir e estragar tudo me desejando parabéns. E aí pronto: vou esperar que outros também lembrem de me dar parabéns. E vou ficar falando rindo: "me dá parabéns que hoje é meu aniversário" como se eu não ligasse pro esquecimento. Mas eu ligo. Esse ano eu queria só ficar com dezoito mais um tempo. Eu só queria não ter que passar por esse inferno astral que já vem me enchendo o saco durante quase um mês. Eu só queria me sentir leve e feliz e querer mesmo comemorar qualquer coisa. E esquecer completamente do celular. Eu queria que nada do que eu ando pensando e sentindo se confirmasse: que no fundo, eu não sou importante pra quase ninguém. Ninguém.

Comentários

  1. Eu até gosto de fazer aniversário, me sinto importante amada, mas também sinto esse medo de ser esquecida, das pessoas não ligarem. Ainda mais com essa tecnologia, que tornou tudo mais fácil, aproximou as pessoas distantes, mas distanciou aquelas que estão próximas...enfim!

    Beijos! ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …