Pular para o conteúdo principal

Então é Natal e o que você...ganhou?

O meu maior presente de Natal desse ano foi dado de mim para mim mesma. Foi uma troca entre meu coração e minha mente. Foi um pacto. Decidi perdoar minhas feridas abertas, as cicatrizes, as vezes que quebrei a cara com tudo no chão. Decidi perdoar meus erros, minhas escolhas, minhas lágrimas, meus amores não correspondidos. Decidi me perdoar de vez e perdoar todo mundo por aí que não soube me amar como eu esperava. Ou que não soube me amar de jeito nenhum. Decidi dar um fim em coisas internas, pouco a pouco porque sei que eu nunca consigo mudar de vez. Decidi que chega de tentar insistir em gente que desiste de mim antes mesmo de escolher tentar. Chega de ficar perdoando cada mísero erro - então decidi perdoar de uma vez só, todos que me machucaram, que erraram, que não se importaram. E decidi desistir dessas pessoas também. Chega de tentar ser muito amiga e não receber nada em troca. Eu sei que, supostamente, para ser uma pessoa melhor, eu deveria fazer as coisas por aí sem querer nada em troca. Mas eu não sou perfeita, não sou santa, nem idiota. Quando eu dou a mão, eu espero que entrelacem a mão na minha, não que puxem meu braço e o arranquem fora. Então decidi que: tudo bem. Se eu for amiga e não receber a amizade de volta. Se eu der amor e não for amada de volta. Se eu der a mão e não receber mão de volta. Se eu der carinho e não ter carinho de volta. Se eu der importância e não ser importante de volta. Se eu me doar e só ter vampiros em volta. Tudo bem. Caio, choro e levanto a cabeça. E me perdôo. Porque pelo menos eu tentei. Fui fiel aos meus sentimentos, aos meus impulsos, a minha idiotice de cada dia. Fui fiel a esse jeito ingênuo de acreditar – nas pessoas e que elas podem, sei lá, resolver de uma hora para outra mudar. Quanto à todos que não se deram de volta, que não amaram de volta, que não foram amigos de volta. Tudo bem. Não esperem mais do que meu respeito, minha educação e um quêzinho de pena. Porque um dia vocês vão querer as coisas de volta também. E não vão ter mais quem as dê.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …