Pular para o conteúdo principal

"Janeiro já tá quase aí...."

Eu amo janeiro. É meu mês preferido e eu sei lá o porquê. Às vezes eu queria que fosse novembro, porque é o mês do meu aniversário e eu devia, sei lá, gostar do mês que eu nasci e essas coisas. Não sei. Novembro é sempre fim de ano, já ta tudo naquela correria insana que ronda dezembro. Janeiro não. Janeiro é leve. E não tem nada nesse mundo que eu goste mais do que coisas leves. Talvez por eu pensar demais, sentir demais, me pesar demais, goste tanto daquilo que quase voa, daquilo que quase me tira do chão. E janeiro voa. E me leva com ele. Janeiro é aquela garota de sete anos que abraça sua boneca e gargalha com alguma coisa que você nem sabe o que é, e te deixa curiosa, porque você queria gargalhar daquele jeito também. E janeiro é marcado por isso: crianças. Idéias crianças, sentimentos crianças, sonhos crianças. Tudo pequeno, tudo novo, tudo só planos que você quer colocar em prática. Janeiro é leve porque é fim e começo ao mesmo tempo. Não porque dia primeiro é o primeiro dia do ano. Não pra mim. Mas é que você coloca na cabeça: daqui pra frente tudo vai mudar. Quase nunca muda, mas a sensação de quase mudar é o que mais me deixa feliz. A sensação de que dá pra começar de novo, que pra tudo há volta, que nada é imutável. Janeiro é isso: é transição. De mim comigo mesma. A lista das coisas pra fazer que eu traço naqueles primeiros dias do ano fica quase intacta. Mas no fundo, no fundo, o que muda em mim é o olhar. O jeito de encarar a vida, o jeito de levá-la, as coisas nas quais acredito e naquilo que não acredito mais. O que muda em mim é o interno, sabe? Pouco a pouco, ano a ano, janeiro a janeiro. São as feridas que eu passo um mês inteiro só cicatrizando, só passando remédio, só na base do band-aid. Janeiro é meu band-aid. Não tem machucado que não acabe fechado com ele.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …