Pular para o conteúdo principal

Fios rompidos

De vez em quando a vida te dá umas notícias que entalam na garganta de um jeito que parece que você nunca mais vai conseguir respirar direito. Fica esse nó entalado no peito, essa falta de ar, esse medo do fio se romper. Acho que na verdade a gente caminha todos os dias, todos os segundos, com esse medo absurdo do fio se romper. Qualquer fio. O fio que junta um casal. Que junta os amigos. Que junta a família. O fio da vida. Acho que cada vez que a gente respira é uma tentativa desesperada que esse fio não se rompa. Que ele aguente mais um pouco. Que dê tempo de dizer, de gritar, de fazer. Que esse fio dure tempo suficiente. Como se existisse mesmo essa coisa de tempo suficiente. Acho que a gente caminha por aí segurando a ponta do fio e esperando que do outro lado tenha alguém segurando também. Que esse alguém não vai soltar. Que não vai te deixar sozinho. Que não vai desistir de segurar ali também. A gente se agarra a esse monte de fio temendo que não dê pra costurar nada com eles no final, mas com a esperança de que talvez dê. Que talvez dê em alguma coisa. Andar por aí tentando levar um pouquinho de cada um e de cada coisa nada mais é do que querer segurar cada fiozinho que aparece na sua frente, esquecendo que a gente só tem duas mãos e que às vezes os fios seguem caminhos completamente diferentes. Quando um fio se rompe, rompe algo na gente que parece que nunca mais vai cicatrizar. Que parece que nunca mais vai parar de arder. Que parece que esse fio vai puxar outros fios que também vão arrebentar e que acabou. Por isso tem que ter alguma razão, algum sentido, algum motivo. Tem que ter. Pra toda dor e toda decepção. Tem que ter. Por que senão como a gente vai conseguir ter algum pouquinho de esperança de que talvez não rompa? Tem que ter. Por isso, Deus, segura aí a ponta do meu fio e de todas essas pessoas que eu amo. Porque tá difícil segurar direito aqui a partir de agora. E não pode romper. Não pode.

Comentários

  1. Karine, acompanho seu blog faz tempo e recentemente o seu novo blog, teen and twenties, e preciso dizer: a sensibilidade com a qual você consegue colocar em palavras aqueles sentimentos que a maioria nem consegue decifrar é incrível!
    Seu novo blog também mostra como você consegue dar várias caras as palavras, desde assuntos do coração, até moda e filme.
    Te sigo no twitter e adoro teus posts. Te acho incrível!
    Sou sua fã.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …