Pular para o conteúdo principal

Bateu, levou.

Qualquer corte mais profundo, daqueles feios mesmo, acabam deixando alguma cicatriz - além de doerem horrores enquanto ainda sangram. E quando você sente uma dor tão forte assim, você acaba evitando de um modo ou outro aquilo que causou o corte. Às vezes você é mais teimoso e por algum motivo acha que não vai acontecer de novo. Sabe aquela história de que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar? É furada, cara. Então eu vou te falar aqui sobre cortes que sangram: você pode escolher nunca mais chegar perto do que te cortou ou você pode brincar com fogo. Lembra daquele ditado de que quem brinca com fogo sempre acaba queimado? Fica por sua conta. Mas você sabe, aquela outra história de não colocar a mão no fogo por nada. Nem por ninguém. Mas e aí? Entendeu por que as mudanças aqui dentro? Entendeu que eu não tô nem um pouco afim de sair me cortando de novo? Não é que eu tenha mudado assim tão drasticamente. Mas é que uma porção de cicatrizes me ensinaram algumas coisas básicas. Uma delas é que se alguém quiser me machucar, esse alguém também não vai sair ileso.

Comentários

  1. Eu sou tão boba e tão fácil de esquecer, que logo após o ferimento, eu prometo pra mim mesma que vou me afastar pra sempre do que me cortou. Mas é só deixar que ele se feche, cure e vire cicatriz, pra eu voltar pra perto daquilo que me machucou.

    Saudade daqui, Ká. :*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…