Pular para o conteúdo principal

001

Entenda - não posso e não vou contar aqui história alguma de amor, porque entre todas as meias-histórias da minha vida, nunca tive uma assim, dessas de filmes românticos e histórinhas de contos-de-fadas. Nunca tive nem algo parecido com uma histórinha romântica qualquer, de filme meia-boca ou daquelas que uma conhecida distante te conta sobre como conheceu o marido e você acha que pode acontecer com você também. 

Tenho pra mim apenas meia dúzia de cenas que me vem à mente quando alguém, descuidadamente, cita a palavra amor, assim, do nada. Minha mente vaga e aparecem três ou quatro caras que já julguei importante, que já julguei amor. Aparecem três ou quatro momentos em que eu achei que podia ter começado alguma coisa, algum sentimento, alguma ligação. 

Acho que nada nem ninguém conseguiu chegar tão fundo em mim a ponto de se tornar inesquecível. Ok, estou sendo injusta: tem aí uma dúzia ou menos de amigos importantes que são parte de mim, mas eu digo disso, dessa coisa de romance, de amar alguém tanto mesmo depois do fim, sabe? Não tenho isso, nunca tive e dá tristeza. É, tristeza mesmo, desculpa. Peço perdão aqui pela minha fraqueza: fico triste de não ter uma história de amor - mesmo essas mal-acabadas - pra contar. Tenho uns casinhos, umas histórinhas sem graça, sem fim e sem sentimento. Vale?

No fundo, no fundo mesmo, eu não espero um príncipe, um amor, um sentimento forte a ponto de me fazer desistir de toda a minha vida. Eu espero só uma história de filme romântico meia boca pra contar, sabe? Só pra ter pra mim que eu também posso viver algo bonito, algo eterno enquanto dure, algo brega. 

Quero meia dúzia de histórinhas românticas pra contar. E que no fim não acabe sozinha. Talvez seja carência, talvez medo, talvez vontade de sentir que alguém no mundo se importa. Talvez seja só essa necessidade absurda de atenção que tenho desde que nasci. Talvez seja só uma quantidade imensa de amor pra dar e ninguém pra receber. 
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…