Pular para o conteúdo principal

005

Já ia fazer um ano e eu decidi que era hora de parar de ser orgulhosa. Juntei toda a minha força de vontade e comecei a jogar três ou quatro frases feitas na minha cabeça durante todo esse tempo. Aí a força de vontade passou, deu aquela preguiça de insistir em tudo de novo. Apaguei as frases, fechei a página. Deixei pra lá. Se você soubesse quantas vezes eu deixei pra lá. Guardei uma porção de coisas pra mim, não desabafei nem para as paredes. E não fui atrás. Chega né? Tem uma hora que cansa. Se eu fosse enviar cada e-mail que eu comecei a escrever para você, provavelmente você me acharia uma louca psicótica que persegue gente que já deixou bem claro que não me quer mais na vida. Mas aqui está a verdade: sou uma tremenda de uma idiota que precisa colocar nas palavras um pouquinho de sentimento para ver se a pessoa do outro lado entende, sente, atende. Cada linha, cada e-mail não enviado: era só um pedido surdo de “me ajuda, ta difícil sem você”.  Aí vão me falar: poxa, Ká, você é orgulhosa, você não pede ajuda, não pede desculpa, não corre atrás. Talvez eu seja. Na real, eu sou. Orgulhosa pra caramba. Mas não acho – e ninguém vai me convencer a achar – que eu sou a errada dessa história. Eu pedi, eu implorei, eu corri atrás. Fiz coisas que me envergonho. Insisti numa história que devia ter acabado há três anos. Colhi muita ferida por causa disso. Não acho que temos que sair por aí desistindo das pessoas. Só acho que não adiantar insistir em alguém que já desistiu de você. Não é questão de ser tarde demais para essa história. É só que chega um momento que parte, que quebra, que perde o encanto. Que me faz ter essa preguiça de insistir, essa preguiça de pensar, essa preguiça de falar qualquer coisa sobre o assunto. Hoje eu consigo dizer: to nem aí pra como você tá, onde você tá, com quem você tá. A coisa quebrou. O encanto quebrou. A mágica quebrou. Sei lá: só quebrou, sabe? Foi algo aqui dentro, foi algo meu, talvez você não tenha ação direta. Mas não te tiro a responsabilidade por cada ato seu, por cada falha, por cada vez que você também deixou para lá. Não vou querer aqui te explicar o universo complexo que eu sou porque isso exigiria muito mais do que uma páginazinha de texto (to achando que nem quando eu escrever um livro vou conseguir me explicar). Tudo o que você precisa saber é que aquela vontade passou. Que aquele desespero em saber o que vai ser daqui para frente com nós dois acabou. Só...acabou, sabe?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …