Pular para o conteúdo principal

006

Há dois anos, no dia dos namorados, eu disse que te esperaria. Muita coisa aconteceu de lá para cá. Muita coisa mudou aqui dentro. Muito sentimento deixou de ser sentimento e passou a ser só sensação barata. De lá para cá, muita gente anda dizendo por aí que eu mudei. Que eu não sou a mais a mesma. Que eu estou diferente. Eu sei. Acho só que eu aguardo alguém que pare de dizer que eu mudei e finalmente tenha a capacidade de perguntar o porquê. Cansei de ser a menininha que todos esperavam que eu fosse. Cansei de esperar tudo de alguém que nunca me deu nada. É exaustivo esperar, o tempo todo, qualquer coisa, de qualquer um. 

Se você soubesse tudo o que aconteceu nos dias que antecederam esse dia. Se você soubesse tudo o que passou pela minha cabeça. Se você soubesse tudo o que eu aprontei. Você realmente diria que eu passei por uma grande mudança. Então antes que você se acostume com essa mudança, te digo aqui que hoje eu mudei de novo. Me livrei de muita coisa que me prendia, especialmente de você. Especialmente dessa espera. Tudo bem. Lembra? Era isso que eu falava naquele texto há dois anos. "Tudo bem, vá ser só seu enquanto finge que não é mais meu que qualquer outra coisa do mundo". Eu dizia algo assim, parecido, sei lá. Lembra? Besteira. Você nunca foi meu. Nem em sonho. Nunca.


Não vou mentir aqui para você, nem para ninguém. Não preciso disso. Tenho coragem de dizer o que todos querem ouvir: sim, eu espero alguém ainda. Eu espero. Eu espero. Eu espero. Mas não de você. Não dessa vez. Em algum lugar desse mundo, eu sei. Eu ainda vou conhecer alguém que me mereça e alguém que eu mereça também. Eu ainda vou conhecer alguém que me faça esquecer todas as vezes que eu chorei por alguém que não merecia. Ainda vai aparecer alguém. Eu sei que vai. Enquanto isso, eu vou ficando aqui. Fazendo besteira. Fazendo merda. Até alguém me mostrar que vale à pena qualquer outra mudança. Porque eu só estou aqui pois eu espero que no fundo, você apareça. Você: esse alguém. Então fica aqui meu último pedido de dia dos namorados: não demora muito. Eu detesto esperar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …