Pular para o conteúdo principal

009

Se eu morrer antes de você, faça um escândalo como se não fosse me ver novamente. Depois lembre-se que eu te espero do outro lado com os braços abertos e um sorriso no rosto. Se não for se despedir, reserve cinco minutos do seu dia para lembrar dos momentos que passamos juntos. Se for, não vá de preto.
Se não conseguir se lembrar de mim, escute o que os outros ainda lembram. Não será de todo verdade, mas ajudará a ativar sua memória. Se quiser se lembrar melhor, leia meus textos. Muitos deles dizem mais verdades do que fui capaz de lhe contar. Se não tiver coragem de ler as verdades que escrevi, lembre-se então de minhas gargalhadas escandalosas. Minha felicidade morava ali. 
Se não souber como suportar minha falta, encontre-me em seus sonhos e então conversaremos. Se tiver que chorar na minha despedida, não enxugue suas lágrimas - deixe que eu o faça pelo vento. Se puder, anime os que estiverem pior do que você. Lembre-os que foi somente a minha vida a que acabou, a de mais ninguém. 
Saiba que quando escrevi essa carta tinha 19 anos e já esperava morrer cedo. Se acontecer, não lamente tanto. Se consegui chegar a velhice, comemore! Se tive tempo de me despedir, que bom. Se não: até logo. 
Se não souber como será daqui para frente, lembre-se que sou apenas uma pessoa, não o oxigênio. Se quiser se desfazer de minhas coisas, doe para quem precisa. Se eu estiver em condições, doe todos os meus órgãos. Se quiser me fazer mais feliz, doe também minhas palavras. 
Se você ainda tiver certo tempo, faça mais do que fiz em vida. Não deixe de se esforçar para ser uma pessoa muito melhor do que eu - não será assim tão difícil. Se tiver que desacreditar em alguma coisa, desacredite no rancor. Eu, como boa escorpiana, sei que não vale a pena. Acredite em fadas. Talvez eu vire uma. Acredite em anjos. Talvez eu vire um. Acredite nas estrelas. Talvez eu brilhe lá em cima. Se tiver que acreditar demasiadamente em alguém, acredite em Deus. Se não for do tipo que acredita, rezarei por você de onde estiver. E acreditaremos - eu e Deus - em você mesmo assim. 
Se quiser me procurar, olhe as estrelas. Se quiser me encontrar, sente-se em frente ao mar. Se quiser um conselho meu, fique em silêncio e escute.
Mas acredite em mim: que bom que fui antes que você. Eu não seria tão forte de suportar te perder. 

Ps: Se não souber o que falar quando eu morrer, deixe que fale por você nessa carta. 
Ps2: Se puder, quando chegar o dia, avise que quero ser cremada. E quero que toque Epitáfio em minha despedida. E que ninguém esteja de preto.


Texto inspirado em "Se eu morrer antes de você" de Chico Xavier.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …