Pular para o conteúdo principal

010

Admito que deve ser difícil ler minhas entrelinhas. Sorrio na frento dos outros, mesmo quando morro de vontade de chorar. Abraço quando precisam, mesmo quando sou eu que preciso ser abraçada. Choro e falo que não é nada. Falo que foi o filme, o livro, falo que é por besteira. Não conto meus medos. Quando conto digo só que é medo de ficar sozinha. Brinco com minhas inseguranças. Dou risada enquanto falo mal do meu próprio nariz para não perceberem quão insatisfeita estou com minha aparência. Brinco que estou gorda, enquanto luto para não colocar para fora tudo o que como. Finjo que amo a vida mais do que tudo e esqueço de dizer que já pensei em cortar os pulsos. Pareço ser tão leve e superficial e carrego comigo o peso da minha profundidade. Carrego sozinha meus medos. Não acho que isso faça de mim alguém especial ou diferente. Acho, até, que me iguala a meio mundo de gente. E, por isso, nem deveria ser tão difícil me ler. Mas admito que é difícil enxergar o fundo dos olhos, é difícil saber o que machuca a alma de cada um. Admito que não me traduzo o suficiente para aqueles ao meu redor.Ao invés disso, me escondo em palavras que sei que não irão ler. Disfarço em metáforas que nunca entendem. Dou risada e faço de tudo brincadeira. Zombo do que me assusta, para não descobriram a garota apavorada que sou. E choro. Como criança mimada, porque tudo o que eu mais queria era que pudessem ver o que eu nunca tive coragem de contar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…