Pular para o conteúdo principal

011

Fui perdendo os sonhos pelo caminho, enquanto fazia um esforço tremendo para conseguir encarar os atalhos em que fui obrigada a me meter. Acho injusto e cruel desmerecer os sonhos alheios, assim como não acredito que todo mundo é obrigado a aplaudir os sonhos dos outros. Acho, apenas, que ninguém tem nada no que se meter naquilo que os outros acreditam ou almejam. Pior: acho de uma crueldade sem tamanho tentar impor aos outros seus próprios sonhos e planos, como se todo mundo fosse obrigado a pensar igual ou desejar as mesmas coisas. Me dói horrores saber todas as coisas que fui deixando para trás, todas as coisas em que fui deixando de acreditar, todas as vezes que tive que parar e respirar fundo e desistir de algo que me era essencial. Mas ainda tenho em mim um punhado de sonhos e planos e desejos, porque sou dessas pessoas que só conseguem seguir em frente se tiver alguma luz no fim do túnel, se tiver algum objetivo final, maior ou qualquer coisa assim. Sou dessas pessoas que precisam saber o porquê de estar aqui, o porquê desse caminho, o porquê disso tudo. Não sei como funciona "não acreditar nos sonhos". Não sei viver sem eles. Podem me chamar de criança, infantil, boba, o que for. Mas só sei viver assim. Não tenho necessidade que mintam que meus sonhos irão dar certo, ou que são os melhores sonhos do mundo, ou nada disso. Não tenho necessidade que acreditem por mim. Aprendi, desde criança, que as pessoas têm uma felicidade interna ao debochar do sonho dos outros. Seja ele qual for. Só o que peço é que não se manifestem, que não julguem, que me deixem. Acho que a melhor coisa da vida é que cada um tem a sua, e ninguém precisa viver seguindo o molde de ninguém. Sou assim. Ponto final. Acredito em fadas, acredito em Deus, acredito em meia dúzia de verdades só minhas e acredito nos meus sonhos. E sonho. Desesperadamente. A todo segundo. E refaço meus sonhos. E aposto neles de novo. Sonho. Sonho. Sonho. São meus, de mais ninguém. Portanto, não acho que devem ser tratados como produtos e não preciso apresentar nota fiscal para provar que a mercadoria é verdadeira. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …