Pular para o conteúdo principal

016



Querido _________________ (deixo nesse espaço o vão para cada pessoa que machucou, para cada sentimento que morreu, para cada ocasião que quem achou que tivesse morrido fui eu).


Foram dias de crise, de choro, de lágrima doída - dessas que a gente solta quando parece que não aguenta o peso do mundo. Entenda que às vezes é preciso mesmo esse silêncio agoniante, esses momentos de reflexão que matam, pensar na sua vida até aqui para descobrir por onde você quer começar a mudança. Entenda que é preciso, de vez em quando, ficar sem chão pra reaprender o que é voar. Entenda que não é só porque dói desesperadamente - e eu choro, e eu reclamo, e eu faço escândalo - que eu não tenha forças para superar: é só que talvez eu também precise de colo, atenção e carinho.
A sensação é de que você correu uma maratona: falta ar para seguir em frente; cada músculo reclama; doem partes no seu corpo que você nem sabia que existia. Você sabe, no fundo, que depois do descanso, de um bom banho e uma massagem, você estará pronto para outra. Mas na hora, só parece que você adquiriu todo o cansaço do mundo.
Não vou mentir: parece que não vai ter fim. Parece que tá tudo errado. Parece que sem aquela pessoa não vai dar. Parece que a saudade corta, corrói, destrói. Parece tanta coisa. Mas me disseram uma vez que nem tudo o que parece é. Disseram-me uma vez que depois de um tempo não parece mais nada. Tenho para mim uma coisa: ferida mata sim! Não só fortalece, mata mesmo! Mas mata uma parte da gente, mata algumas células do corpo, mata um pedacinho da alma. Ferida mata, mas como todo machucado, a gente sempre tem capacidade de cicatrizar.
Depois de três semanas me vendo sem rumo na vida, eu tô aqui. Ó, tô inteira! Talvez alguns pedaços de mim tenham ficado pelo caminho. Talvez eu tenha desacreditado em muita coisa. Talvez eu tenha deixado algumas pessoas para trás. Talvez eu tenha morrido um pouquinho sim. Mas ó: cicatrizei! Mas ó: tô de pé. Mas ó: sobrevivi.

Tchau, tudo aquilo que me faz mal. Tchau, vai viver longe dos meus olhos agora. Você não é parte integrante minha, decidi que também não serei dependente sua. Vai com Deus. Você me ensinou muita coisa, é verdade. Mas serviu como professor de escola: depois que a gente aprende, a gente muda de série, o professor muda também.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …