Pular para o conteúdo principal

Toda ação tem uma reação, lembra?

Peço desculpa de antemão pela decepção que vou te causar. Mas não vai ser você que vai me derrubar. Baixa a bola aí. Desse lado aqui, já tive muito machucado para qualquer quedinha me deixar de cama, viu? Não, não pense que estou menosprezando minhas feridas. Só acho (melhor, tenho certeza), que depois de um tempo você aprende a conviver com curativos. Band-aid, merthiolate, pomadas: tão aí pra isso. Incomoda, não vou mentir. Mas você sobrevive. Juro pra você: você sobrevive. 

Então pode vir. Não vai ser você que vai me derrubar. To anestesiada. Pelo menos de você, que vamos combinar foi o que mais me machucou nos últimos tempos. Não tenho medo de ser sincera: passei madrugadas chorando, desacreditei em muita coisa, engordei horrores porque tive que compensar minhas frustrações na comida, passei uns dias em silêncio para colocar a cabeça no lugar. Mas não caí, tô de pé. E tenho orgulho disso, viu? 

Não acredito mais em você, desculpa. É só que eu me proíbo de acreditar em gente que não perde a oportunidade de falar por trás, de andar com a faca na mão, de cutucar minhas feridas. Tentei até onde deu, juro. Desse ponto pra frente, desculpa, abandono o barco. Não pense que é descaso, não pense que é falta de importância, não pense que é indiferença. Mas a gente tem que saber a hora de soltar a mão de alguém que só puxa a gente pra baixo. Tô soltando.

E não te dou o direito de me machucar mais. Não, não vai ser você que vai me derrubar. Pode vir. Tô pronta. Pode ser até que você deixe minhas pernas roxas com seus chutes. Mas rasteira? Rasteira você não me dá mais. Perdoe esse meu jeito. Mas, você sabe, tudo isso é só uma reação a suas ações. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…