Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2012

Para aquela de quem fui fã

Ela tem o poder de me fazer parar tudo para ver como está. Se ainda continua feliz, se seu sorriso finalmente é sincero, se sua gargalhada chega então aos meus ouvidos. Houve uma época em que seu choro tinha o poder de parar minha vida, mas isso era em outros tempos, quando eu ainda conseguia gostar sem pedir nada em troca. Desaprendi a gostar sem pedir nada em troca, porque depois de um tempo fui esperando atenção, fui esperando respostas, fui esperando o mesmo carinho, fui esperando a mesma dedicação. Mas nunca teve atenção, nunca teve resposta, nunca teve carinho, nunca teve dedicação. Não que ela não quisesse, ela tentava, como todos os outros tentaram e tentam, mas nunca alcançou o que eu esperava, o que eu sonhava. Sonhava. Sonhava com um punhado de coisas, com um abraço. Um abraço que nunca veio, um sorriso que nunca veio, um encontro que nunca veio. Mesmo com todo o esforço, mesmo com todas as horas incansáveis em filas, mesmo com todo o dinheiro. 

E aí veio o fim e eu jurei qu…

"Tudo certo"

"Calma, tenha calma
Minha previsão do tempo 
Diz que hoje não vai chover..." (Tudo certo - Luiza Possi)

Calma, calma, é tudo uma questão de calma, eu aprendi. Depois dos deslizes e dos meus erros impensados, é tudo uma questão de calma. E se ainda dói e se ainda corta e se ainda falta, uma hora passa porque é sempre isso que acontece. Passa, passa, ainda que pareça ser eterno. Não é eterno, nem enquanto dura. É sempre efêmero, é sempre pressa, é sempre essa correria para conseguir prender momentos na alma. Aquela nossa velha história de querer guardar os segundos em alguma caixa de lembranças para nunca mais perder. Para nunca mais perder os beijos, os abraços, os "eu-te-amo" soltos por aí, sem cuidado, sem amor, sem calma. Calma, e só, que é o que resta. 
Calma, amor, um dia a gente volta a se encontrar, você volta a me enganar, a gente volta. Tudo bem, a gente deixa para trás esses nossos erros, aqueles antigos beijos em pessoas que não eram mais do que tampas para o…

Lo que estoy viendo...- Parte 2

Por que lloras? Si ayer te estabas riendo...Atte. Karma. [Parte 1 aqui] Tómala barbón, ese guey no perdona! Saludonshines! ou: Toma essa idiota, o Karma não perdoa! Um brinde!  (porque sou uma prova disso) 
Nossa. Quem imaginaria a gente um dia assim. 
Aqui está o que eu vejo: a gente chegou em um ponto que não tem retorno.
Você lembra como a gente costumava se entender antes? Acho que foi nossa melhor fase, éramos leves, estávamos sempre por perto, não tínhamos nossas próprias cobranças de corresponder sempre ao que o outro esperava. Você não tinha essa necessidade tão grande que teve no final de que eu me transformasse no príncipe encantado. Naquela época ainda esperava menos de você, algo como o que se pode esperar de uma pessoa normal, não de uma idealização de mulher. 
Esperei muito de você. 
Esperei que você fosse mais madura, que entendesse mais meus sonhos, que soubesse o momento de parar com seus dramas infantis. Esperei que você desistisse um pouco desse seu jeito histérico por mim.…

Lo que estoy viendo...- Parte 1

Porque lloras? Si ayer te estabas riendo...Atte. Karma. ou: Por que chora? Logo você que estava tão feliz....Atenciosamente, Karma  (porque você colhe o que você planta)

Não tem porque complicar, é tudo bastante simples. Vejo, com clareza, o que quase ninguém de nosso convívio tem coragem de admitir: a gente não tem mais volta. Chegamos ao fim do caminho, ao fim da estrada, ao fim do amor ou como queira chamar. Mas que seja ressaltado que é o fim e coisa e tal. Porque não tem mais volta. Não tem. 
O que eu estou vendo é uma imagem bem clara dessa nossa realidade: você tem outra pessoa. E eu tenho outra vida agora. Simples assim. Você sai por aí com ela do lado, você tem um sorriso enorme no rosto, você nem sequer disfarça mais. Você não tem mais por que disfarçar. Você não liga para o que falam, você não liga para os questionamentos, você não tem por que se explicar. Não precisa se explicar, mesmo. 
Você está feliz. 
Ou era isso que eu achava.
Vieram me dizer que você sente minha falta. Que …

Vaga de emprego - Tratar aqui.

Fui numa dinâmica de grupo hoje. Achei bem proveitosa. Não sei se realmente dá pra tirar os melhores profissionais dali, mas se tanta empresa usa, deve dar certo, né? E se dá certo, por que não usar na minha vida também? Decidi então, vou arranjar o amor da minha vida em uma dinâmica de grupo. Reunir todos em uma sala e começar.
Agrupem-se por idade: quem tem mais de 21, quem tem 22, quem tem 23 ou quem tem mais de 25. Quem tem 24 pode se dirigir a porta, o número nem é legal pro caso. Agora pela ocupação: quem trabalha, quem faz faculdade, quem é vagabundo por ser vagabundo e quem é vagabundo porque é rico. Vagabundo por prazer, só eu aqui, obrigada pela presença. 
Por hobby: quem gosta de viajar, quem gosta de ler, quem gosta de ouvir música. Nossa, tanta gente assim gostando de viajar e ler? Vocês são uns lindos. E time, hein? Quem aí é São Paulino? Corinthiano? Puts, puxado aí, né? A gente vai discutir um pouco. 
Agora que tal se cada um de vocês se apresentasse pra mim? Coisas básic…

A saudade que eu tenho de Clara

A Clara tinha a risada mais linda que eu já tinha ouvido na vida. Acho que essa é a primeira recordação quando alguém me pede pra pensar na Clara: a risada dela. E exatamente por isso, pela aquela felicidade que ela emanava, que ela sempre foi uma das pessoas que eu mais admirei na vida. 
A Clara já tinha sido uma segunda mãe para mim. Mentira, mesmo com os contatos escassos, com os e-mails esporádicos, com os abraços cada vez mais rasos, mesmo com a distância que eu fui colocando entre a gente, ela nunca deixou de ser essa mãe. Por mais que eu tenha sido uma péssima filha. 
Ela dizia por aí que eu era a filha que ela não teve. Quando eu era criança, eu agarrava a mão dela e fingia que nunca mais ia soltar. Clara tinha paciência comigo, me levava para todos os lados com nossas mãos agarradas, como se a gente não fosse se soltar mesmo. E quando eu chorava muito, ela não brigava por eu fazer birra, ela me pegava no colo e dizia que minha risada era mais bonita do que meu choro.
Minha risad…

O amor depois que o amor acaba

Mãos dadas o tempo todo, que é pra não esquecerem que eles se pertencem. Mas um silêncio de dar dó, de gente que não tem mais o que dividir, o que compartilhar, o que conversar. As conversas ficaram em outra época, os beijos intensos ficaram em outra época, a vida dividida ficou em outra época. Agora só tem esse lado-a-lado quieto, mansinho, de segredos velados. Ela, às vezes, tem vontade de gritar, de jogar tudo, de quebrar uns pratos, de dizer pra ele que-bosta-de-ponto-é-esse-que-a-gente-chegou. Mas depois pensa que nem vale à pena, que é perda de tempo, que isso é coisa de gente que ainda se importa. 
Mãos dadas o tempo todo, que é pra não esquecer porque eles acabaram juntos. Porque se amaram um dia, porque compartilharam tudo, porque eram considerados o casal mais bonito da cidade. Esse esforço incessante e inacabável de não esquecer porque chegaram até ali, porque aguentaram tanta coisa, porque viveram tanto tempo sem se separar. Ele tem vontade de soltar a mão, de ir embora, de…

O BBB12 já acabou...

Entraram em um acordo que as pessoas de coração bom torciam para a Praia nessa última edição do Big Brother. Entrei num conflito interno: primeiro porque não sabia que minha torcida em um reality show definia quem eu era, segundo porque se sim definia, então eu não tinha nada de coração bom. Achei a Praia um saco o programa inteiro e você tem todo o direito de discordar. Essa é a graça, você torce por quem quer e eu torço por quem quero. Por mais que eu não goste de um time de futebol, eu não tiro o direito desse time ter uma torcida. Di-rei-to. 
Mas não me deram o direito, igualmente, de torcer para a Selva. Fui julgada como sem caráter, que apóia gente falsa, sem índole e coisa e tal. Fiquei com uma preguiça eterna, até porque não é tão fácil ver personalidade de ninguém em um programa de televisão em que se coloca pessoas em situações limites. Situações limites: foram essas as cenas que fomos obrigados a encarar aqui fora, onde você sim é quem é, porque não concorre a um milhão e me…

"Olha como eu sofro"

– Não estou sofrendo. – Ok, eu acredito. – É sério, não estou sofrendo. – Tudo bem... – Não, olha, olha essas fotos, vê como eu sorrio? Vê minha felicidade? Vê? Vê? – Tudo bem, eu vejo. Você não está sofrendo. – É a verdade, acredite em mim, eu não estou sofrendo, estou feliz. – Eu acredito. – Mas você precisa acreditar mesmo, de verdade, então olha, olha pra mim, olha meu sorriso... – Eu olho, tudo bem, eu acredito mesmo, de verdade. – Faz tempo já que eu não sofro. – uma gargalhada estridente, que era pra convencer. – Eu imagino. – Não. Não, não seja irônico, faz tempo mesmo, eu juro. – Não estou sendo irônico. – Está, vejo como olha pra mim, mas é sério, parou de doer há anos.  – Tudo bem, não é meu problema. – Mas você me olha como se ainda fosse um problema, e te juro, não é mais. – Então não é mais um problema... – Não seja sarcástico... – Não sou. Não é mais um problema, tudo bem. Não sofre mais, tudo bem. Está feliz, eu acredito.
Silêncio.
Silêncio.
Silêncio.
– Eu choro todas as noites, quando ningu…

Meu coração entrou em coma

A notícia de sua saúde me deixou culpada. Quis, de repente, voltar atrás e fazer tudo diferente. Não acreditar em quem acreditei, não amar quem amei, não chorar por quem chorei. Quis voltar e me preocupar com seu estado, como deveria ter feito, antes de me jogar de cabeça nas mentiras das pessoas. De confiar em quem fingia se importar. Fiz as coisas e não liguei para o que você ia sentir, se ia te machucar, se ia te quebrar. Te quebrei, te machuquei, te desiludi tantas vezes que sua saúde foi pouco a pouco falhando e eu nem aí. Eu nem aí que você não aguentava mais, eu nem aí que você não tinha mais condições, eu nem aí que você precisava de um tempo para se juntar de novo. 
Eu nem aí. Fui me jogando e me jogando e me jogando, acreditando, amando gente que não me amava, confiando em quem não devia confiar, quebrando a cara, as certezas e você, meu coração. Te quebrei, coração, tantas vezes que tenho até vergonha. E agora fico aqui, preocupada de que você nunca saia desse estado. Que nu…

Meu lugar no mundo: Morro de São Paulo

Tem lugar que alimenta a alma. Que te dá uma paz de espírito tão grande que você se torna a pessoa mais serena do mundo, mesmo que seja daquelas que não acalma nunca sua inquietude. Tem lugar que te obriga a olhar para dentro com uma violência que te faz pensar na vida, nas coisas, nos anos, nos dias, nas pessoas, nos sentimentos. Te faz respirar fundo, fechar os olhos e repensar suas atitudes diante da vida.
Amei (e amo) muitos lugares ao longo de meus 20 anos. Fui completamente apaixonada pelo Rio de Janeiro, fascinada pelo Pão de Açúcar, doida para, uma vez que fosse na vida, pudesse morar na Cidade Maravilhosa. A vontade e o encanto não se foram. O Rio é quase como que um objetivo, que um dia será alcançado. Mas ainda assim, ainda assim não se mostrou como meu lugar no mundo quando estive em terras cariocas.
Aprendi, na marra, a ser defensora irrevogável de São Paulo, um pouco porque sempre fui louca pela facilidade de ter tudo em um só lugar, um pouco porque aqui foi o lugar que vi…

Era pouco... - Parte 2

Para ler a parte 1 clique aqui
Eu te vi. Eu te vi e doeu uma parte de mim. Quis correr pros seus braços e dizer que nunca deveria ter ido. Mas doeu mais quando eu vi que você não estava sozinho. 

Nem tinha o que falar. Eu tinha feito minha escolha.
 Eu sabia, você sabia, todo mundo sabia. Que aquele dia uma dia ia chegar. O dia chegou.
Esperei, em silêncio, ouvir sua voz atrás de mim pedindo para ficar. Pedindo pra insistir, pra te amar, pra tentar mais um pouco. Me assustei com o silêncio dos pedidos que nunca foram feitos. Do último abraço que nunca foi dado. Do sorriso que me foi negado. De um até logo que teve cara de adeus. Foi adeus. Foi porque eu quis, porque você quis, porque a vida quis. Porque nossos sonhos não se cruzavam. Porque eu não podia desistir de mim por você. Porque eu achava que não podia desistir de mim por você. Depois, com o tempo, com a falta, com a saudade, com a ligação que você nunca fez, com o pedido de desculpa que nunca tive coragem de dizer, eu descobri. Desc…