Pular para o conteúdo principal

Era pouco... - Parte 1


Um dia a gente se encontra,
Você com suas fotos do mundo que buscou,
Eu com as histórias do mundo que ficou. 

Nem tinha o que falar. Você tinha feito sua escolha, eu não tentaria impedir. Tinha te impedido uma vez, quando pedi que ficasse, quando insisti, quando te pedi em casamento. Você ficou, fingiu que era o que queria, me abraçou. Mas não era aquilo. Você sabia. Eu sabia. Todo mundo sabia. A gente insistiu, tentou, teimou. Porque é isso que a gente faz quando ama. E a gente se amava. Mais até do que os outros desconfiavam. E por isso a gente tentou muito. Eu tentei muito. Você sabe, te convencer que valia a pena, que o seu lugar era aqui, que o lar era onde estivéssemos juntos. Mas não era. Perdoa a ilusão que acreditei e que te fiz acreditar também.

Nem tinha o que falar. 

Você arrumava suas malas e eu sabia que talvez a gente não se visse de novo. Você tinha seus sonhos agora. Eu tinha a minha vida, aqui. Você sabia. Eu não ia atrás de você. Essa parte da história tinha ficado para trás. Assim como todo o resto que ficou para trás: nosso casamento, o filho que nunca nasceu, nosso namoro, nosso amor. Tudo aquilo era agora parte de uma lembrança que não tinha mais futuro. A gente nunca teve futuro. 

Eu era feliz aqui, você nunca soube onde era feliz. Você nunca soube o que queria, o que buscava, quem esperava. Você se esforçou também, então obrigado. Obrigado, mesmo. Pelos anos que insistiu contra si mesmo e ficou, teimou, tentou. Eu sei que doeu, eu sei que foi difícil, eu sei que foi quase insuportável. Ficar em casa, quando tudo o que queria era morar em todas as cidades do mundo. Me esperar chegar, quando tudo o que queria era que te esperassem. 

Eu te esperei. O quanto deu.

Esperei que passasse, que você entendesse, que visse que o amor era maior do que tudo aquilo. Achei, pobre ingênuo, que o amor era maior que o sonho. O sonho. Acho que foi esse nosso maior erro. Acreditar que conseguiríamos entrelaçar nossos sonhos. Eu desisti do meu por você, porque meu maior sonho sempre tinha sido te ter. Você desistiu do seu por mim, porque achou que era sua obrigação. Outro dia você disse que o meu sonho de te ter era pouco. 

Era pouco. 

Foi quando eu decidi que não ia te impedir. Não ia atrás. Nem ia falar nada. 

Era pouco.

Todo o amor, toda a atenção, todos os anos, todas as palavras, todos os abraços, tudo. Era pouco. 

E por ser pouco, nem usei como argumento.

Que eu te amava? De que adiantava dizer?
Que eu esperaria? De que adiantava dizer?
Que eu iria com você? De que adiantava dizer?

Era pouco. 

Você, você não, sempre foi muito. E por ser muito, era difícil de agarrar, de segurar, de conquistar. E por ser muito, eu sabia que não dava mais. 

Nem tinha o que falar. Você me olhou, sorriu, deixou umas lágrimas caírem e tentou me abraçar. Não abracei. Eu estava te soltando do abraço ali. Te soltei do abraço para você finalmente abraçar quem sempre quis: o mundo.

Enquanto você ia, eu ficava. Enquanto partia, eu rezava. 

Que seus braços não fossem curtos. Que o mundo te abraçasse de volta. 

E que te amasse, como eu amava. Pouco. 



Para ler a parte 2, clique aqui.

Comentários

  1. "A gente insistiu, tentou, teimou. Porque é isso que a gente faz quando ama."

    me identifiquei tanto *---*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…