Pular para o conteúdo principal

Mãe, acho que eu virei hipocondríaca

Essa semana uma dor insuportável resolveu me fazer uma visitinha e acabar com a minha vida. Não, eu não estou sendo exagerada (como a maioria das vezes), era uma dor realmente insuportável. Senti até vontade de dar aquele chute na quina do sofá com o dedinho do pé e ver estrelas – porque essa outra dor insuportável me faria esquecer a primeira.

Vou explicar: minhas pernas doíam horrores. O quadril parecia estar gritando o tempo inteiro “olha a porra do meu tamanho, sua gorda, to doendo pra você lembrar que eu existo”. A dor começava nele e ia para as coxas (tão grandes quanto) até o joelho. Como se já não fosse suficiente, a dor ainda ia para o lado esquerdo das minhas costas. E, pasmem: tudo isso somado a minha linda gastrite que já está a meses me enchendo o saco.

Foi aí que começou a minha busca. Afinal, todo mundo quer descobrir o motivo de suas dores, certo? E eu estava enrolando para ir ao hospital (porque me lembrava da fila que sempre estava quando eu resolvia me render ao médico e porque ele sempre me receitava a porra de um remédio pra dor que eu poderia ter tomado sem ele ou porque sempre falava que era virose). Não fui ao hospital. Melhor: joguei meus sintomas no Google.

Foi aí que o problema começou.

“Dor nas pernas podem indicar DOENÇAS GRAVES”.

Doenças graves, galera. Gra-ves. Cada doença que eu lia era a que eu tinha no momento. Pedra nos rins. É isso. Não. Problema de circulação. Não. Problema na coluna. Não. Melhor: tudo isso junto.

Comecei a ficar paranóica.

O Google me deixou hipocondríaca, mãe.

Fiquei com medo. Cada vez que vinha uma pontada de dor, eu pensava “eu to com aquela doença, eu to morrendo, eu to morrendo”.

A dor durou três dias. Ontem à noite, do mesmo jeito que veio, passou.

Não fui ao médico.

Não soube o motivo.

Assumo: foi medo.

(pavor de que o médico me examinasse e dissesse que eu realmente tinha uma doença grave)

(se eu desaparecer, procurem notícias minhas. Nunca se sabe, né).

Comentários

  1. Procurar sintomas no Google é a PIOR coisa que você pode fazer quando não tem certeza do seu problema. Vai de AIDS até elefantíase em menos de dois cliques. Tenso. E quando dão links do YOUTUBE?! Socorro??

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …