Pular para o conteúdo principal

Meu lugar no mundo: Morro de São Paulo



Tem lugar que alimenta a alma. Que te dá uma paz de espírito tão grande que você se torna a pessoa mais serena do mundo, mesmo que seja daquelas que não acalma nunca sua inquietude. Tem lugar que te obriga a olhar para dentro com uma violência que te faz pensar na vida, nas coisas, nos anos, nos dias, nas pessoas, nos sentimentos. Te faz respirar fundo, fechar os olhos e repensar suas atitudes diante da vida.

Amei (e amo) muitos lugares ao longo de meus 20 anos. Fui completamente apaixonada pelo Rio de Janeiro, fascinada pelo Pão de Açúcar, doida para, uma vez que fosse na vida, pudesse morar na Cidade Maravilhosa. A vontade e o encanto não se foram. O Rio é quase como que um objetivo, que um dia será alcançado. Mas ainda assim, ainda assim não se mostrou como meu lugar no mundo quando estive em terras cariocas.

Aprendi, na marra, a ser defensora irrevogável de São Paulo, um pouco porque sempre fui louca pela facilidade de ter tudo em um só lugar, um pouco porque aqui foi o lugar que vivi os meus últimos 18 anos e, querendo ou não, foi a cidade que me transformou no que sou hoje. Mas, por mais que o lugar em meu coração esteja guardado eternamente, o cinza nem sempre enche meus olhos.

Soube, pouco a pouco, encarar a beleza de Salvador. Ainda que antes, quando ainda criança, visse como apenas um lugar para passar as férias, a cidade me ganhou. Cogitei (e cogito) voltar a viver na terrinha, um pouco porque metade de meu coração está lá, um pouco porque é algo que eu sempre soube que me ganharia fácil: é uma cidade praiana. 

E meu coração se dividia a esses três lugares. Paixões diferentes, com motivos diferentes, com níveis diferentes, com intensidades diferentes. Mas ainda faltava algo, ainda faltava uma paz, ainda faltava uma daquelas coisas que a gente sabe que falta, mas não sabe explicar.

Foi aí que conheci. O lugar que, depois, eu saberia que tinha sido feito para mim. Se não hoje ou amanhã, talvez daqui uns 20, 30, 40 anos. Um daqueles lugares no mundo que eu sei que vai me esperar, até que eu esteja pronta, até que a vida deixe, até que chegue a hora. Um daqueles lugares que talvez não seja para viver minha juventude, mas para ver o fim da vida chegar. Um daqueles lugares que se vai quando tudo já foi feito, tudo já foi dito, tudo já foi visto e você pode finalmente parar, respirar e olhar para trás. Um daqueles lugares que te escancaram a vida, te mostram seus acertos e seus erros, sem maquiagem para esconder as falhas que foi deixando. Morro de São Paulo me fez isso: me escancarou a vida e me ganhou. Com uma intensidade sem tamanho, sem calma, sem delicadeza. Me alimentou a alma. E só. 

Foi quando eu entendi: alguns lugares no mundo te deixam fechar os olhos, respirar fundo, deitar a cabeça no travesseiro e ouvir "Bem vinda ao lar". 

Comentários

  1. Oi! Sou a Daniela, falo de SP/Capital, onde moro, mas fiz uma viagem à Bahia e descobri que o meu lugar no mundo também é em Morro de São Paulo, sabia? Amei a Bahia, os baianos, a comida, o clima, a vibe, tudo!!! Mas Morro de São Paulo não se compara a nenhum lugar. E olha que já viajei bastante! Hahaha! Quero conhecer muitos lugares ainda, e espero sentir isso todas as vezes que pisar em um desses lugares, e que seja PERTO...porque a dor por não estar no meu (nosso) lugar no mundo, me faz querer encontrar outros lugares, para que me consolem e digam que o meu lugar no mundo não pode estar tão longe assim de mim...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…