Pular para o conteúdo principal

Só para o ponto final

Dói.

Não vou mentir e fingir que não, que não tenho mais minhas crises de choro, essa saudade absurda, esse vazio que parece que rasga. Dói - dói e não é pouco, é agonizante, dá vontade de apertar o botão vermelho de um quarto branco qualquer de um Big Brother. Ainda abraço meu travesseiro achando que ele vá me proteger de tudo. Ainda escuto o despertador e tenho vontade de voltar a dormir pra não ter que encarar. Mas depois dos três minutos da perda de controle, respiro fundo e vou. Foi só isso que me restou.

Não corro mais atrás pra te dizer da saudade, da falta, da dor, de como eu queria um ombro amigo. Acho que ombro amigo a gente não pede. É claro que faz falta um abraço, aquela ligação no meio da madrugada, o entendimento só com o olhar que a gente tinha. Mas entendi que era passado. Entenda: gritei muito, busquei atenção, ajuda, qualquer coisa que a gente possa esperar aí daqueles que se dizem amigos. Nunca ninguém apareceu. Se levantei, se segui em frente, se consegui força de Deus-sabe-lá-onde, foi mérito meu. 

Hoje, evito demonstrar a carência. A falta que faz. O buraco. É claro que ainda tem. É claro que ainda dói. Uma ferida tão funda assim - como de amizades que falharam - continua latejando ainda depois de algum tempo. Mas não é como se eu fosse morrer (ainda que eu tenha pensado que sim), não é como se eu não conseguisse (ainda que eu tenha achado que não conseguia). Repeti para mim mesma: deixa a decepção te dominar por três minutos e depois chega. Chega. Entendi. 

Acho então que é um pouco uma questão de amor próprio. Porque é bem ridículo ter que gritar por atenção de pessoas que deveriam saber quando você precisa só de um abraço. É bem ridículo ter que passar por essas pessoas que você julgava especiais e fingir que está tudo bem, que não dói, que não faz falta, que não sente nada. Mais ridículo ainda é que alguém que te conhecia tão bem, com a palma da mão, não consiga perceber o fingimento, o olhar, o sorriso amarelo. Talvez o erro tenha sido meu: acreditar que amigos deveriam estar por perto, querer saber, ficar feliz pela felicidade alheia e triste pelo sofrimento do outro. Coisa minha, você sabe: eu e essa minha ideia romântica de amizades. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …