Pular para o conteúdo principal

Um dia, ela vai...

Ela é grossa por natureza. Você vai dizer alguma coisa legal, vai tentar ajudar, ouvir e coisa e tal, mas ela vai te dar aquela resposta atravessada que vai até te deixar sem graça. Durante um tempo, você vai acreditar que ela gosta de você e que vocês são bastante amigas - afinal vocês conversam sobre essas mil coisas e desabafam e, poxa, você até acha que têm essa conexão que amizades iniciantes possuem. Mas aí ela te dá alguma daquelas patadas e você dá meia volta, coloca o rabo entre as pernas e abre mão. 

Abre mão porque é mais fácil desistir de gente que não te abraça toda hora do que aguentar o mau-humor e a ingratidão alheia. Abre mão porque ninguém é obrigado a lidar com a chatice dos outros. Abre mão porque um "obrigada" não faz mal a ninguém. 


Eu ia abrir mão também. Porque, cara, por mais que eu não seja a pessoa mais simpática e carinhosa do mundo, eu realmente não acho que o outro tem o direito assim de cutucar ferida só para provar que não se importa. 

Nossa, e como ela cutuca ferida. Parece que faz de propósito, tenta gerar a intriga aqui e ali, tenta dizer que falaram mal, agiram mal, fizeram mal. Na primeira vez, você deixa passar, porque todo mundo faz isso vez ou outra. Na décima, você começa a ignorar porque não é possível que ela realmente esteja fazendo isso de propósito e deve ser sem querer. Na centésima, você abre mão.

Abrir mão.

Talvez eu devesse mesmo abrir mão dela, porque era o mais inteligente. Mas tenho a mania boba de insistir em gente que não merece atenção. "Mas por que ela é assim?". "Mas será que ela não sente?". "Mas será que quando coloca a cabeça no travesseiro ela não se sente sozinha também?". Aí eu desisti. Juro, com muito peso na consciência por dar a mão a alguém que - aparentemente - não merecia. Com muito peso na consciência por insistir em gente que não insiste em mim. Com o rabo entre as pernas e as orelhas abaixadas. Desisti de abrir mão. E dei a mão.

Tudo bem, vamos lá, você pode ser tudo isso aí que insiste em ser. Eu tô aqui. Quando você cansar, eu vou estar aqui. Quando a máscara dessa sua fortaleza inalcançável cair, tudo bem, a gente vai conversar sobre o que tanto te machuca aí dentro que te faz ser assim. Porque, eu sei, ninguém fica assim de um dia para o outro sem ter sofrido milhares de dores só suas. Quando você quiser parar de fingir que nada te importa, que as pessoas podem ir, que tudo bem todo mundo abrir mão: eu ainda vou estar aqui. 


Porque eu sei que te machuca essas dezenas de pessoas que abriram mão antes mesmo de ousar saber tudo o que você guardava aí dentro. E eu sei que você guarda muita coisa aí dentro. Eu sei que dói, eu sei que arde, eu sei que você também chora. Mas uma hora, uma hora você vai entender que esse jeito, que machucar os outros, que cutucar ferida, você vai entender que nada disso adianta. Que nada vai te fazer melhor. E que só vai te tornar mais sozinha. Eu ainda vou estar ao seu lado quando isso acontecer. 


Eu espero que um dia você aprenda que não precisa mostrar indiferença o tempo todo, não precisa mostrar força o tempo todo, não precisa fingir que não se importa que desistam o tempo todo. 

Eu não abri mão de você. Porque eu acredito que por trás dessa pessoa criticável, que por trás desses erros, que por trás dessas atitudes impensadas e dessas ações condenáveis, eu acredito, juro que acredito, que há só uma menina indefesa que pensa que não se encaixa e pensa que tem mesmo é que ficar sozinha. Não, você não tem. 


Você é só uma menina e você também vai se arrepender de seus erros lá na frente, como todo mundo. Só peço que, por favor, pense bem antes de me fazer me arrepender por ter insistido. Por não abrir mão. Por ter dado a mão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…