Pular para o conteúdo principal

Vaga de emprego - Tratar aqui.

Fui numa dinâmica de grupo hoje. Achei bem proveitosa. Não sei se realmente dá pra tirar os melhores profissionais dali, mas se tanta empresa usa, deve dar certo, né? E se dá certo, por que não usar na minha vida também? Decidi então, vou arranjar o amor da minha vida em uma dinâmica de grupo. Reunir todos em uma sala e começar.

Agrupem-se por idade: quem tem mais de 21, quem tem 22, quem tem 23 ou quem tem mais de 25. Quem tem 24 pode se dirigir a porta, o número nem é legal pro caso. Agora pela ocupação: quem trabalha, quem faz faculdade, quem é vagabundo por ser vagabundo e quem é vagabundo porque é rico. Vagabundo por prazer, só eu aqui, obrigada pela presença. 

Por hobby: quem gosta de viajar, quem gosta de ler, quem gosta de ouvir música. Nossa, tanta gente assim gostando de viajar e ler? Vocês são uns lindos. E time, hein? Quem aí é São Paulino? Corinthiano? Puts, puxado aí, né? A gente vai discutir um pouco. 

Agora que tal se cada um de vocês se apresentasse pra mim? Coisas básicas, nome, como chegou até aqui, porque ainda tá solteiro (afinal, se você é tão tudo de bom como diz ser em uma dinâmica, deve haver algum motivo muito bom pra você não ser disputado pelo mercado, certo?), coisas que marcaram sua vida. Podem ser breves e objetivos, a gente vai ter mais tempo de conversar mais tarde. 

E se vocês se reunissem em grupos e me apresentassem um projeto? O projeto vai ser fácil, coisa básica pra vocês se sentirem inseridos realmente na empresa, terem uma idéia da minha realidade, sabe? Vocês vão ter só que me apresentar um projeto de conquista. Sabe, o que fariam, qual seria o orçamento de vocês, como fariam, que meios iam utilizar, quais seriam as formas de divulgação, como conquistaria a cliente. Aviso: a cliente em questão é bem chata. Então se dividam em três grupos e podem começar.

Mas ah, vocês só tem isso de orçamento? Pouco, não? Nem parece que se importam com a cliente. Bom, vocês ficam por aqui, certo? Vou ficar só com os outros dois grupos. E aí, me convençam, vocês saíram em vantagem. 

Ok,  obrigada pelas apresentações, vou pensar no caso de vocês, combinado? Mando os resultados por e-mail, lembrando que a fase é eliminatória, certo? Fiquem atentos, talvez eu ligue, mas talvez não. Mas se quiserem ligar, fiquem a vontade, até demonstra interesse na vaga. 

Dois dias depois, mando os emails selecionando os escolhidos. Ninguém aparece pra entrevista. Lembro: foi tudo ilusão, não tem candidato nenhum pra participar da dinâmica, que dirá então pra preencher a vaga. Ninguém demonstrou interesse pelo emprego. 

Tá sobrando vaga, tá faltando gente pra ocupar. 

Anúncio: vaga para amor da minha vida. Pago bem. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …