Pular para o conteúdo principal

Estive aqui...

Eu estive aqui. Quando você precisou, quando não precisou, quando caiu, quando ralou a cara no chão, quando desacreditou em si mesma, quando desacreditou no mundo, quando desacreditou nos outros. Eu estive aqui. Quando precisou de uma mão, um braço, um ombro, um colo, um abraço. Eu estive aqui. Quando ninguém esteve, quando deram as costas, quando o sonho falhou, quando a força falhou, quando a fé falhou, quando o amor falhou. Quando você quis desistir, quando a faculdade não deu certo, quando o namoro acabou, quando você quis largar tudo, quando você não queria mais nada, quando achou que nada mais ia dar certo. 

Estive aqui. Quando me quis por perto, quando me quis longe, quando me puxou pra si, quando me expulsou sem saber se ia me magoar. Eu estive aqui. Até quando não esteve, até quando também me deu as costas, até quando desistiu de mim, até quando preferiu o namoro passageiro. Estive aqui. Mesmo quando voltou, mesmo com o rabo entre as pernas, mesmo sem o pedido de desculpas formal, mesmo que não tenha ido em meus aniversários, mesmo que não tenha ligado, mesmo que não tenha ficado. Eu estive aqui. 

Segurei a barra, enxuguei a lágrima, te segurei na mão. Ouvi tudo, disse tudo, fiquei em silêncio, te vi fazer as escolhas que queria e não seguir os conselhos que todo mundo dizia. Estive aqui. E não julguei, não comprei a briga dos outros, não escolhi lado nenhum, não deletei seu número da agenda, não deixei de mandar os e-mails mesmo que você nunca respondesse. Estive aqui. Mesmo quando achei que nem ia voltar, mesmo quando reprovava suas atitudes, mesmo quando me disse coisas que nunca achei que iam sair da sua boca.

Estive aqui. Quando você mudou, quando começou a andar com outras pessoas, quando parou de dar atenção a quem sempre lutou por você, quando quis novos ares, novos sabores, novos desejos, novos amigos, novos horizontes. Estive aqui. Esperei seu momento, esperei que voltasse, esperei o sorriso sincero de novo, as palavras sinceras de novo, as atitudes sinceras de novo, a pessoa sincera de novo. 

Estive aqui. Vi você cair, quebrar a cara, se decepcionar com um tanto de gente, precisar de ajuda, recusar ajuda, voltar atrás, expulsar pessoas da sua vida, amenizar seu gênio, entender seus erros, se arrepender. Estive aqui, quando você teve que pedir desculpas pras pessoas que magoou, quando lutou pra se reaproximar de gente que realmente se importava, quando voltou a realmente se importar. 

Estive aqui. Por dias, por meses, por anos, por uma história. Estive aqui. Dividi relatos, dividi segredos, dividi meus medos, entendi seus medos, construí com você nossas memórias. Estive aqui. Lembrei de cada promessa: que eu fiz, que você fez, que a gente quebrou. Estive aqui. Pronta para pedir desculpas também, pronta para dar o abraço de novo, pronta para servir de colo outra vez. 

Eu estive aqui. Simples assim, do jeito que a gente sempre foi; estive aqui. E não é jogando na cara, não é cobrando atitude, não é esperando algo em troca. Não é querendo te lembrar das vezes que você não esteve. Não é querendo me sentir melhor, te fazer se sentir pior, cutucar feridas que já disse que perdoei. Mas eu estive aqui. E eu espero, do fundo do meu coração, por favor, que você se lembre disso quando eu precisar de novo que você esteja aqui também.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …