Pular para o conteúdo principal

Os carnavais em que nosso amor não vingou

Você disse que voltava logo, que ia ligar, que não daria tempo nem de deixar saudades. E então desligaram o som, varreram os confetes das ruas, subi a serra. Os dias vieram, a correria já estava comigo de novo, e olha só, que coisa surpreendente: você não voltou. Também não quis correr atrás, não quis cobrar as promessas, não quis gritar por aí o seu abandono. Engoli calada a sua não-volta e segui em frente. Eu era dessas que não se deixava abater por desamores sem importância.

Depois, como quem não quer nada, a gente se esbarrou ali, no meio da rua, e eu sorri, como quem não queria nada, e nem queria mesmo. Demos as mãos, beijos nos rostos, um abraço apertado, falamos rápido da vida, combinamos uma coisa aqui ou outra ali. “Quando der, me liga”, você disse. Também não liguei, não quis, não lembrei, não teve importância. Não sei, a gente não teve tempo um para o outro e nem chegou a sentir saudade para se procurar.

Já era verão outra vez, eu estava na praia, a Ana estava comigo e mais umas duas ou três pessoas. Você passou, e só de longe, a gente sorriu um para o outro. Na minha cabeça passou aquele tanto de coisa que a gente viveu, não sei se na sua também. Tive vontade de ligar, saber como você estava, se aquele feriado estava sendo tão bom quanto os três últimos. Quis dizer que era a última vez que iríamos nos encontrar ali, naquela época do ano. Quis contar que eu venderia o apartamento, que não teria porque voltar, que você podia ligar quando quisesse.

Mas como quem não queria nada também, você virou o rosto e continuou andando. Continuou andando e eu continuei também. Porque em três dias o feriado acabou e tive que arrumar as malas e guardar as lembranças nos armários disponíveis, porque agora era isso que tudo tinha virado: passado. Você virou passado também, mas isso não doeu.

“Você nunca me doeu”, quis ligar só para te contar. “Você nunca me doeu”, quis repetir e repetir e repetir. Nem nas suas não-voltas, nem nas ligações que nunca fez, nem nos esbarrões só de vez em quando, no olhar falso de como se só eu importasse no mundo. “Você nunca me doeu”, quis gritar dessa vez. E te contar que exatamente por isso eu tinha vontade que você me doesse. Quis te contar que não sabia como era aquilo: quando os amores não doem. Quis te dizer que talvez você fosse o primeiro amor de verdade, talvez eu estivesse madura o suficiente para você, que talvez houvesse chegado nosso tempo.

Mas não encontrei seu telefone nas minhas coisas (e olha que procurei em cada canto). Também não te encontrei na última noite, quando eu, como quem não queria nada, caminhei pelo mesmo calçadão em que a gente se conheceu. Mas a gente não se esbarrou, como tantas outras vezes, nem nos abraçamos só para fechar a história com chave de ouro, nem demos o último beijo. Nada. Nada de história bonita para contar para os netos.

A gente foi isso: uns auges de amor entre um Carnaval e outro. Uns abraços eternos que duraram minutos. Uns beijos com gosto de festa. Um amor que não doeria, se a gente tivesse deixado ser amor. Mas não foi. O Carnaval acabou. E nosso amor não vingou. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…