Pular para o conteúdo principal

Boa sorte (para nós).

Vai doer. A gente sabe, apesar de fingir que não. Vai fazer falta, apesar de tentar se convencer de que foi só mais uma página. Talvez tenha sido só mais uma página, mas foi uma página longa e com um texto bem bonito. Fez a gente rir, fez a gente descobrir o que era o amor, fez a gente conseguir se doar para o outro sem esperar nada em troca, fez a gente feliz. Fez a gente muito feliz. Teve algumas lágrimas aqui e ali, algumas palavras que não deveriam ter sido ditas, algumas brigas que poderiam ter sido evitadas. Mas tirou o ar, tirou o medo, fez a gente voar. E que orgulho de tudo isso, de cada coisa, de cada abraço, de cada declaração. 

A gente chega a esse ponto agora tentando se convencer que é a melhor decisão, que não tem mais o que fazer, que é hora de deixar ir: cada um para um lado. Provavelmente, é a melhor decisão mesmo. O que não faz doer menos. Dói porque não foram três dias, dói porque não foi falso, dói porque não foi brincadeira. Foi uma vida, dividida, compartilhada, sonhos montados, planos realizados. Cheguei até onde cheguei com você, por você, para você. E sei que chegou aonde chegou comigo, por mim, para mim. Mas a partir de agora, cada um por si. 

Cada um por si. E dói. Saber que olharei para o lado e você não estará lá. Mas seguimos, eu aqui e você aí. Agora colocando outros sonhos em prática e reaprendendo tudo de novo aquelas coisas que a gente aprendeu sobre o amor. Foi tudo o que tinha que ser, só não é mais. Só não será. Nosso verbo foi conjugado até onde deu, e o futuro ele não aprendeu. Te amo (isso não mudou só porque a gente mudou). Pode ter mudado o jeito, o porquê, a intensidade. Mas é nosso, nossa história, nossa vida, nosso amor. 

Dói. Dói muito, saber que não vou mais ligar, que não tenho com quem dividir os segredos, que não entrelaço mais as mãos com ninguém nas minhas noites. Mas torço por você do mesmo jeito que torço por mim. Você vai encontrar alguém com quem você possa imaginar um futuro junto, com quem você consiga lidar com as diferenças, alguém com quem você seja feliz mais tempo do que foi comigo. E eu também encontrarei alguém assim. Seremos felizes, o que não anula a tristeza de saber que, para isso, teremos que seguir cada um pelo seu próprio caminho. 


Boa sorte. 

Para nós. 

(que os próximos capítulos sejam tão bonitos quanto o que a gente escreveu. E que não tenha o mesmo fim.)

Comentários

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …