Pular para o conteúdo principal

A gente sai da quinta série, mas...

Eu não sei por que gente se apega a coisas tão pequenas. Cresce, sai da quinta série, faz faculdade, vai trabalhar, começa a pagar as próprias contas, começa a planejar o próprio futuro sem ser influenciado pelas escolhas dos pais, dos tios e dos avós, e, no fim, continua agindo como se ainda fosse a mesma criança de sempre.

A gente faz 15, 20, 30 anos e continua com as mesmas atitudes. Ainda briga porque ela olhou torto, porque fez cara feia, porque disse isso ou aquilo, porque deu um resposta atravessada. E aí a gente se tranca no próprio mundinho, naquela mesma arquitetura das panelinhas da sala. Mas aí não são mais as panelinhas da sala, são as panelinhas da vida.

E aí a gente fica com umas atitudes bobas, perde a educação, não sabe nem dar mais bom dia. Ainda se prende em detalhes tão insignificantes porque não consegue aceitar os erros e os defeitos das pessoas. Como se as pessoas tivessem mesmo que corresponder a todas as nossas expectativas e modelos do que é uma pessoa "legal". E aí  resolvemos julgar gente que sequer conhecemos pelo modo de se vestir, por frases fora de contexto, por classe social, pelos amigos.

A gente faz isso todo dia. Usa sempre aquele discurso bonito de que não deveríamos julgar pela capa. Mas, quando vê, está lá, olhando as pessoas e fazendo as trezentas análises na cabeça do que você supõe ser aquela pessoa. Tudo bem, somos normais. Mas por quê?

Não sou superior. Tenho minhas próprias panelinhas, não suporto um monte de gente, queria que certas pessoas não existissem no meu dia-a-dia. Olho as pessoas nas ruas e faço um mapa mental se eu seria ou não amiga daquela pessoa, como se eu soubesse pelo o que meus olhos vêem quem é aquela pessoa e pelo o que ela já passou ou passa na vida. Mas quem sabe, um dia, eu consiga ser um pouco evoluída e consiga amadurecer, de verdade. Porque não quero ficar presa na quinta série para sempre. Espero que você também não.

Em tempo: nas vezes que caí na vida, a mão amiga veio de pessoas que não imaginei. Quem correu ao meu encontro e me levou para superar as feridas foi gente que eu achei que não se importasse, porque nunca me permiti conhecer as pessoas além do que pensava delas. Aí aprendi um pouquinho sobre isso e comecei a dar a chance. Ainda  faço mapas mentais das pessoas, ainda me pego achando que sei mais do que sei. Mas estou em um processo de tirar a quinta série de mim: que, pelo menos, para a sexta série eu consiga ir. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …