Pular para o conteúdo principal

Te perdi da vida

"E te perdi de vista, mas vejo a sua conquista. 
Isso ameniza a falta que você me faz."

Uma hora a gente vai se reencontrar e vai parecer como nos últimos anos, quando a gente era tão inseparável que parecia que as vidas corriam lado a lado. A gente vai se dar aquele abraço que costumava se dar e esquecer todos essas lacunas que a gente foi deixando entre uma virada e outra nos caminhos. Ou pelo menos eu tento me convencer disso tudo, porque, no fundo, estou apavorada que a gente não se reencontre mais, que só se esbarre por aí e pense "um dia ela foi uma das minhas melhores amigas". 

Isso já aconteceu outras vezes. Vejo gente hoje que nem sabe o que faço da vida e que em outros tempos me conhecia com a palma da mão. E vice-versa. Não quero que isso aconteça com você e por isso tenho medo. Tenho medo que a gente se perca no meio da caminho e nunca mais consiga entrelaçar as vidas. Tenho medo que nossa amizade acabe virando só mais uma parte do meu passado e deixe de fazer parte do meu futuro. Para sempre. 

Dói, me dói, te juro. Saber que fui levando a vida, corri atrás dos meus sonhos, me apaixonei, estou traçando minhas metas e me tornando a pessoa que eu quero ser e tudo isso sem que você se desse conta, tudo isso sem te ligar para contar, sem te dizer dos meus medos diários de que eu falhe e tudo venha por terra. Dói saber que fui conquistando cada uma das minhas vitórias sem você por perto para comemorar e ficar feliz por mim porque isso só me mostra o que mais dói: que dá para viver assim. De longe, sem contato. E é triste saber que dá para viver sem você. Mas dá. 

Também não sei mais nada de você: desses seus novos amigos, desses seus novos sonhos, desse seu novo amor, desses seus novos planos. E vi também que você foi vivendo sem me ter por perto, sem demonstrar saudade, sem me gritar dizendo que eu fazia falta. E aí a gente se perdeu porque agora você tinha a sua vida e eu a minha. 

Já sei que aqueles nossos planos de crianças não vão dar certo. Não vamos ser sócias, não vamos viajar juntas, não vamos realizar os sonhos que sonhamos para a gente. Talvez você faça tudo isso com outras amigas. E eu também.

Mas não deixa de doer, não deixa de me dar medo, não deixa de ser triste. Saber que a gente era tão amiga, tão inseparável, sabia sempre tudo uma da outra e agora acaba assim. Em um silêncio enorme que deixa tudo sem graça. Não sei mais lidar com você, não sei se ligo, não sei se continuo insistindo e convidando para minhas saídas. A última recusa doeu, acho que você entende por que. Ficou tão descarada a troca, ficou tão óbvia. Quis dizer que sim, tinha problema, que eu não entendia, que não aceitava que ficasse para outro dia. Mas silenciei, como fiz em cada vez nos últimos dias. E de tanto silenciar fui guardando tudo o que eu queria falar e não falei, e aí fui perdendo também a vontade. Fui silenciando até que silenciei o que mais importava: a amizade. 


Te perder da vida talvez seja uma das coisas mais difíceis que já tive que encarar. Saber que você não vai estar na próxima queda dói. Saber que eu também não estarei quando você precisar dói. Saber que cada caminho vai para um lado dói. Saber que você está se tornando a pessoa que disse que nunca se tornaria, mais ainda. Saber que você agora faz coisas que disse que não faria é horrível. Saber que você fica cada vez mais parecida com o tipo de pessoa que eu não suporto dá pavor. E nessas mudanças, vou me tornando também cada vez mais o tipo de pessoa que você não quer na vida, e dói de novo. Entendo isso: perder você da minha vida talvez seja me perder um pouco também, mas tenho que encarar, seja para o meu, o seu ou o nosso bem. 

Um dia a gente se reencontra, se abraça, se esbarra de novo. Ou não. Mas se sentir saudade, me liga. Nem que seja para dizer bem rápido: "você ainda me importa". Se doer muito, te ligo também. Nem que seja para dizer: "você já foi uma das minhas melhores amigas".

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Sei que o texto é bem antigo, mas fuçando por aqui (eu amo seu blog já falei isso umas 29323948 vezes lá no twitter), achei esse e me emocionei. Porque é bonito quando outra pessoa consegue descrever o que você esta sentindo.
    Adoro seus textos, seus blog, tudo. Você sempre consegue descrever o que eu to sentindo e acabo me identificando muito!

    Beeeijos
    leitoraemlondres.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …