Pular para o conteúdo principal

"Há um desencontro, veja por esse ponto"




Você aqui?

Vim te desejar boa sorte. É, eu sei, faz tempo. Você lembra do nosso último abraço? Nem eu. Acho que foi por isso que eu vim. É um absurdo eu não lembrar mais do nosso último abraço. Logo a gente que costumava se abraçar tanto.

A gente costumava fazer muita coisa, mas todas essas coisas mudaram.

É, eu sei. Mas será que tem que mudar? Você sabe, eu sempre adorei mudanças e novos desafios, mas acho que eu gosto da parte fixa da minha vida também e você faz parte dela. Aquelas pessoas que estão sempre aí. 

Escuta, será que a gente não pode ter essa conversa outra hora?

Não. A gente chegou a esse ponto porque foi sempre deixando para outra hora. Você deixou para gritar verdades comigo outra hora e ficou com raiva porque não extravasou suas frustrações comigo. Eu deixei para te pedir perdão outra hora, e acabei esbarrando numas pessoas muito erradas pelo caminho. 

Você fez suas escolhas, eu fiz minhas escolhas, só. A gente sabia que uma hora ou outra ia ser assim.

Não, mentira! A gente sabia que uma hora ou outra a gente ia ficar junto. Mas, novidade: um tempão passou, as pessoas pararam de acreditar na gente, a gente deixou de acreditar na gente, você não gosta mais das mesmas coisas que eu sabia, eu faço coisas que você nem imagina. E cadê a parte do “nós”? Eu cansei de esperar que a vida tome a providência e faça a gente se encontrar de novo. Então, eu vim aqui te abraçar e te desejar boa sorte, porque eu quis.

Esse é o seu problema. Você só faz as coisas quando você quer. Você sentiu falta, você veio. Você quis, você fez. Você quis ir embora, você foi. Você quis sumir, sumiu. Você quis parar de falar comigo como se eu tivesse errado muito feio, parou de falar comigo e todo mundo passou a me achar um grande filho da puta! Novidade: para de ser mimada, a vida não espera que você queira as coisas, as pessoas seguem em frente!

Nossa, que surpresa! Você jogando meus erros na minha cara e me dizendo como sou mimada. O que? Renovou o mesmo discurso? Já ouvi isso outras vezes. Mas, bem, você também não foi atrás de mim. E suas vontades sempre foram bem distantes de fazer com que ficássemos bem. É sempre você, seus sonhos, seu tempo, seu jeito, seu ego, seus pensamentos. Você, seu, eu. Egoísta! Eu vim aqui te desejar boa sorte, por você, porque eu torço por você, mas você nem sabe fazer o mesmo por mim!

Chega. Vamos deixar essa conversa para outra hora, eu não posso falar disso agora!

Eu não quero deixar para outra hora. Que saco, a gente deixou o amor para outra hora até aqui!

Quem tá aí? Amor, quem tá na porta? Por que você não vem logo?

Eu não acredito! Ela tá aí! E você aqui na porta comigo, como se a gente importasse! Ela tá aí na sua vida ainda! Ela, que não era ninguém, que era só alguém para fazer com que você se esquecesse de mim. E eu? Era só alguém pra fazer você se esquecer de si também?

Que droga, eu disse que essa não era a hora! Espera, amor, eu já vou, não é ninguém, é engano!

Uau! Que ótimo ouvir isso depois de oito anos! Mas essa parte você tem razão. Foi engano! Isso tudo! Eu vir aqui, eu acreditar que você ainda se importava, eu achar que ainda podia nos salvar de alguma coisa. Não dá para nos salvar de você e sua mania de me tratar como se eu fosse alguém horrível só porque não sou seu tipo de mulher ideal. Deus me livre ser seu tipo de mulher ideal, dessas que ficam na cama te gritando enquanto você discute na porta a relação com sua ex-namorada. 

Que droga! Deixa isso para outra hora! Eu vou fechar a porta. Depois a gente se fala e resolve isso. Outra hora. 

A gente deixou nosso amor para outra hora. E novidade: ele perdeu o prazo de validade. Já deu. Tchau. 

É só isso.
Não tem mais jeito.
Acabou.
Boa sorte.

(Boa sorte/ Good Luck - Vanessa da Mata)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…