Pular para o conteúdo principal

"Você jurou me amar..."


Já é hora de falar sobre outro assunto que não seja mais sobre nosso passado. Mas enquanto tento pensar em qualquer outra coisa que não envolve tudo o que nós fomos, esbarro com sua camisa entre minhas coisas, que você esqueceu aqui depois que foi dar uma volta para ver se achava coisa melhor do que eu. E achou.

Enquanto arrumo as coisas do meu cachorro, lembro que foi você quem me deu ele e você reaparece na minha vida. Quando me convidam para alguma festa e me perguntam se vou levar acompanhante, tenho que responder que vou sozinha e aí lembro de você de novo.

É fácil não falar do nosso passado, difícil é olhar para minha casa e não lembrar de todo o futuro que você me prometeu. Difícil é ver a aliança que eu deixei escondida na gaveta e não lembrar do dia do nosso casamento. Difícil é não comparar tudo o que vem acontecendo com tudo aquilo que a gente planejou que aconteceria.

A essa altura, eu estaria grávida do nosso primeiro filho. E você seria o homem mais feliz do mundo. Já teríamos nossa casa própria e nosso cachorro já estaria grande e teríamos resolvido adotar um “irmão” para ele. Foi assim que a gente tinha combinado.

A essa altura, eu estaria largando meu emprego para ter meu próprio negócio, porque você já estaria estabelecido financeiramente no seu trabalho e combinamos que você assumiria durante um tempo as contas de casa enquanto eu me dedicava a começar meu projeto de vida. Ia ser assim.

A essa altura, você estaria preocupado demais com minha saúde, minha calma e minha gravidez, porque queria que seu “filhão” nascesse saudável e pronto para ser o corintiano que você queria. E eu riria todas as vezes que você manifestasse esse seu lado de papai-babão.

A essa altura, você me olharia à noite, antes de dormir, e me diria como eu estaria linda e diria que tinha feito a escolha certa ao me escolher para ser a mulher da sua vida. Foi assim que você disse que seria.

Mas hoje, hoje chegou a carta do divórcio. E eu te odiei por todas as promessas que a gente não cumpriu. Pelo filho que a gente não teve, pela casa que a gente não comprou, pelo aluguel que eu pago sozinha agora. Te odiei por não ser mais a mulher da sua vida e porque o cachorro agora é só meu.

Se eu olhar para atrás, não vai ser tão difícil continuar te odiando. Apesar das coisas boas, sei olhar bem e lembrar das coisas ruins. Olhar para o nosso passado não dói mais tanto quanto costumava doer.

O que dói, o que é difícil, meu bem, é olhar para frente e ver um futuro bem diferente daquele você jurou para mim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …