20 de agosto de 2012

Do lado de cá


Eu não achei que esse dia ia chegar. Mas daqui a meia hora você vai para a sala de embarque e eu volto para minha casa, muitos quilômetros longe de onde você vai morar agora. Vou querer ir ao meu restaurante preferido e não vou poder te ligar qualquer hora para você ir junto. E nem terei mais sua companhia nos meus rolês errados. Não vou te levar a todos os meus compromissos. E todo mundo da minha família vai perguntar por você nos próximos almoços. Você vai entrar no avião e, por mais que eu tente me enganar, tudo vai mudar.

Tudo iria mudar se você ficasse também. A gente tá iniciando uma nova fase da vida e isso implica conhecer novas pessoas, mudar muitas opiniões, começar a frequentar novos lugares. A gente mudaria mesmo sem perceber. A gente iria estudar coisas diferentes na faculdade, iria começar a sair com um outro círculo de amigos, começaria a trabalhar e teria cada vez menos tempo. Mas eu não queria que nada mudasse entre a gente. Você entra nesse avião daqui a pouco e leva um pedaço de mim. Leva meu passado com você, tudo o que a gente foi e eu queria continuar sendo.

Você manda uma carta de onde estiver? Me conta das novidades. Me diz se conheceu alguém especial. Me diz quais lugares está visitando. O que mais gostou por aí. E me fala também sobre tudo aquilo que não gostou. Diz que sente minha falta, mas que se eu precisar é só gritar. Diz que você tem vontade de voltar de vez em quando. Diz que você ainda tem vontade de mim. Diz que todas as pessoas especiais por aí não chegam nem aos meus pés. Me promete que ainda não me esqueceu, porque por aqui também não terei te esquecido.

Dá notícias, não desaparece, por favor. Já é difícil manter contato com alguém na mesma cidade, imagina tão longe como você. E compra logo uma passagem de férias, promete não demorar. Logo vou ter novidades para contar também e quero falar tudo olho no olho. Quero ver se ainda vou sentir tudo aquilo que eu sentia quando a gente estava junto. Quero ver se passou e se essa saudade é só ilusão. Eu sei que não é. 

Você sabe que eu odeio falar ao telefone, mas, por você, passo horas em uma ligação. Ouvir sua voz me faz acreditar que eu estou um pouquinho mais perto. E você fica um pouquinho mais aqui dentro de mim. Não me importa se a conta vai vir o olho da cara. Eu só quero me provar que você ainda existe.

Eu só quero me provar que você ainda existe, que a gente ainda é importante um para o outro, que a gente ainda se ama. Eu só quero me provar que sempre vai ser tempo da gente recomeçar a escrever nossa história, mesmo que ela esteja lotada de pontos-e-vírgulas. Que eu ainda sinto o mesmo frio na barriga quando você se aproxima de mim. Que minhas mãos ainda tremem. Que eu ainda te acho a pessoa mais importante de todas. Eu só quero me provar que não importa que você esteja do outro lado do mundo, quando você voltar, ainda vai ser tudo como você deixou. Digo, tudo não, mas meu amor, com certeza.



Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)