20 de setembro de 2012

A gente acostuma, eu juro

Depois de tantas vezes, a gente acostuma. 

Não dói mais tanto como das primeiras vezes. O que não quer dizer que não doa nem um pouco. Mas dói e eu sorrio, dói e eu vou comprar roupas novas, dói e eu continuo a conversa, dói e eu continuo vivendo. Perguntam se eu tô brava e eu não tô. Se eu tô puta, e eu não tô. Se eu vou arranjar briga, parar de falar, qualquer coisa assim, e eu não vou. Eu não vou. 

Perdi a vontade até de discutir o que me magoa. Tudo bem, quem vai ser o próximo? Nem é mais questão de perdoar os erros das pessoas, é questão de ver as pessoas errando e deixar para lá. Vou limitando até aonde eu confio, até que ponto posso ir. Deixo para lá os planos em comum, começo a sair com outras pessoas. Simples assim, como quem vem perdendo o contato sem motivo aparente, mas sabendo perfeitamente o que afasta. 

Que eu sempre acabo me dedicando a amizades que me dão rasteiras depois? Mas de que adianta falar isso pela trigésima vez? Chorar, fazer manha, querer gritar poucas e boas? Vai mudar alguma coisa? Vai me fazer ficar melhor? Não vai. 

Também nem tem o que ficar melhor. Eu tô normal. Eu juro. Normal só, na minha, considerando realmente quem merece ter tanta importância. Depois de tantas vezes, a gente acostuma, eu juro. Com as palavras ditas sem pensar, com as atitudes feitas sem considerar se aquilo é mesmo o melhor a ser feito. Depois de um tempo, você para de esperar dos outros o mesmo que você faria por eles. Você para de esperar qualquer tipo de retribuição; mesmo que você tenha emprestado tempo, atenção, dinheiro, sua casa, seus amigos e tudo mais. 

Você aprende, realmente, a não esperar nada em troca. E vai, pouco a pouco, se preparando para esperar tudo de todo mundo. Aí você recebe o baque e não cambaleia como das outras vezes. Recebe o baque e ri (um tanto de desespero, mas ri). Você recebe o baque e muda de assunto; conta uma piada; canta como se não houvesse amanhã. E talvez, não haja mesmo amanhã. Porque você entende que por mais que continue vivendo com a pessoa no presente, não é aquele tipo de pessoa que você quer no seu futuro. Uma hora, você se afasta e é pra sempre. 

Depois de um tempo, eu acostumei. Depois de tantas vezes, parei de chorar, ficar brava, querer gritar. Eu descobri que a gente esquece, que a gente continua em frente, que não faz mais tanta diferença. E depois de tantas vezes, eu entendi que espernear não muda nada, que mudar meu jeito também não, que tentar preservar meu coração não adianta tanto assim. E que se eu parar de me ater tanto a cada um que me decepciona, meu coração vai sair preservado de algum jeito. 

Depois de todas as vezes que eu quebrei a cara, eu acostumei. Sem gritos, sem lágrimas, sem nada. Depois de um tempo, eu aprendi a me decepcionar. 

E descobri que decepção não mata; no máximo, engorda. 


Comentários
3 Comentários

3 comentários:

  1. que isso moça.. você escreve muito! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Texto lindo, exatamente o que estou passando agora.
    Desculpe mais peguei "emprestado" e coloquei no meu Blog, deixando claro que a autora do texto é você. Se poder dê uma visitada no meu também.
    Parabéns, escreve muito bem!

    Meu site http://usodrogaeasvezesminto.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadaaa! Acabei de dar uma olhada no seu blog <3

      Excluir

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)