Pular para o conteúdo principal

A última conversa antes da próxima

We Heart It

Lo hecho, hecho esta y la verdad hicimos mucho daño
No busco a quien culpar, ya para que
Presiento que no hay marcha atrás
Sé que esta vez no hay marcha atrás
(Jesse y Joy)


Ok então. Vamos falar de novo sobre nós dois. Estou um pouco cansada de tantas DRs, mas se você faz questão mesmo, vamos lá. Qual é o problema da vez? O que eu fiz de tão errado? Fui insensível de novo? Liguei antes do seu “tempo” acabar? Não dei espaço? Fui possessiva? Ciumenta? Louca varrida? Ok. Mas espera. Não responde ainda. Antes, me avisa: quanto tempo vamos durar dessa vez?

Minhas amigas nem me perguntam mais sobre a gente. Elas andam cansadas das nossas idas e vindas. Eu também ando. Acho que até você. Eu fico aqui me perguntando por que nos falta a coragem de pular fora, de desistir, de assumir o que todo mundo fala por aí: já era. Eu fico aqui me perguntando por que a gente não coloca em palavras o nosso medo: de deixar o outro partir e nunca mais voltar.

Mas a gente não fala. A gente não desiste. A gente não pula fora. A gente insiste e vai se magoando pouquinho a pouquinho, insistindo em uma relação que talvez não tenha mais jeito. A gente ainda tem jeito? Não levanta a voz para mim. Eu vou tentar ficar menos calada. Não chora. Que droga, eu, que antes não chorava nunca, ando chorando demais. Me diz o que dessa vez é para valer: o fim ou o nosso recomeço.

Não diz que não quer mais me ver e liga três dias depois dizendo que não aguenta de saudade. Não faz mais isso com meu coração. Me diz se é definitivo ou se a gente vai voltar de vez. Me diz, por favor, se vai ser até amanhã ou se vai ser pra sempre. Ainda que a gente não tenha mais volta, me comunica isso, porque assim posso começar a seguir em frente.

Mas a gente não segue em frente. Tantas voltas e olha só onde a gente ainda está. Comunico minhas amigas que estou solteira e no dia seguinte voltei para você. Se fosse adepta de alterar status no Facebook, depois de pouco tempo ele estaria cansado e me intimaria: “Se decide, porra”.

Se decide, porra. Se decide se você ainda me quer, se você ainda me ama, se vai lutar por mim. E eu me decido também: se ainda vale a pena, se vale o esforço, se tem saída para aonde a gente chegou. Se eu tenho que deixar para lá ou se você é o grande amor da minha vida. Mas a gente tem mesmo que se decidir.

Ok então. Vamos falar sobre nós dois. Chegou a hora de dizer adeus? Dessa vez pra sempre? Ok.

Mas....Espera...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …