Pular para o conteúdo principal

Seria bom que alguém te falasse...

Seria bom que alguém pudesse te falar...
Seria bom se eu escutasse os meus próprios conselhos. 

Olha, você precisa parar de guardar rancor. As pessoas erram o tempo todo e alguns desses erros vão te doer muito. Algumas vezes elas vão errar mais do que você acha que aguenta o baque. E tudo bem, você pode virar as costas e ir embora. Mas, depois, por favor, esquece. Esquece e nem é pelas pessoas, não. Esquece por você. Toda essa mágoa acumulada só vai te fazer mal. No fim, é só você que pode decidir ser leve e levar a vida de um jeito mais fácil. Você também vai errar. E, uma hora, vai errar muito feio. Do tipo daquele erro que você não perdoou nos outros. E você vai querer que te perdoem e talvez não perdoem. Você vai querer que entendam e talvez não entendam. É difícil se colocar no lugar do outro e ver que podíamos ter cometido os mesmos pecados em outras situações. 

Olha, algumas vezes vão te dizer que são seus amigos e não são. Tudo bem, isso faz parte do jogo todo. Em alguns momentos, você também vai falar sobre aquela amiga que na verdade não passa de conhecida. Você vai errar nas denominações e vai achar que só porque você está mais próxima de alguém quer dizer que seja amizade. Às vezes não é amizade e você também se engana. Às vezes você vai planejar um tanto de planos para o futuro e vai ser surpreendida com uma rasteira. Se doer, tudo bem, pode chorar. Mas não mendiga atenção, não implora amizade. Quem quiser ser seu amigo vai ser. Quem provar que não é amigo de verdade, agradeça a Deus. Por te afastar de gente de todo mal, como você vive pedindo. 

Escuta, você pode tirar esse peso dos seus ombros. Não dá mesmo para carregar o mundo nas costas. Não dá para se importar com tudo de todo mundo. Você pode, e deve, se importar mais com você de vez em quando. Não dá para carregar para sempre os erros dos outros, as falhas alheias, os problemas de quem nem sequer escuta quando você precisa desabafar. Não é egoísmo não. É só amor-próprio, é só a dosagem de saber a diferença entre ajudar alguém e levar esse alguém pela mão, como se fosse uma mãe segurando seu filho para atravessar a rua. Deixe que os outros atravessem a rua e se preocupe mais em olhar para os dois lados para não ser surpreendida por nenhum caminhão. 

E sabe quando as pessoas riem do seu sonho? Fecha os ouvidos. Tá cheio de gente no mundo muito mais preocupado em zombar dos planos dos outros do que seguir seu próprio caminho. Isso tudo porque morrem de medo de abandonar seus empregos medíocres e irem correr atrás do que sempre quiseram. E vão te chamar de louca quando você quiser arrumar as malas e deixar para lá a segurança para se arriscar a pular do precipício. Deixe que digam, que pensem, que falem...

Pule. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …