Pular para o conteúdo principal

A vizinha da porta ao lado

A vizinha da porta ao lado vem a minha casa. Nós já temos um relacionamento de ois e tchaus de elevadores, mas agora ela vem tentar nutrir uma amizade, trazendo consigo um bolo que acabou de fazer. Começamos a falar sobre a decoração do apartamento, damos nossas opiniões rasas sobre a síndica e caímos sobre o tema de sempre: relacionamentos. Ela fala sobre seu namorado, o quanto ele é sensacional e como eles se dão bem. Para não ficar por baixo, não conto da última briga que tive com Caio, apenas me atenho a contar suas qualidades. E aí ela começa a falar sobre liberdade, que eu deveria tentar experimentar um relacionamento aberto, que iria ser bem mais feliz.


“Vocês deveriam tentar”, ela repete. E começa a enumerar todas as vantagens de sair com quem quiser, ser livre pra escolher, frequentar casas de swing, essas coisas que falam tanto sobre relacionamentos abertos. Um frio percorre minha espinha só de imaginar Caio e eu fazendo parte de um relacionamento desse tipo. Tento entender qual o conceito dela de liberdade. Pego-me pensando nessa escravidão do corpo, como acontece quando caímos em tentação e fazemos sexo por sexo com qualquer um, mesmo quando dizemos que estamos em um “relacionamento”. Dessa liberdade eu não entendo.


“O relacionamento fica muito mais feliz quando entendemos que não somos propriedades e conseguimos dividir e multiplicar amor”, ela fala, como se soubesse tudo sobre nós, como se estivesse sempre aqui, entre nós, quando damos nossas maiores provas de amor. O que ela sabe sobre nossa divisão e multiplicação de amor?

Ele me acorda com um beijo na testa e sorri como se eu fosse a mulher mais linda do mundo e nosso amor se multiplica. Ele me abraça e eu sinto que eu fui feita para estar exatamente naquele lugar e nosso amor se multiplica. Nosso amor se multiplica, divide-se e é somado em cada sorriso, cada beijo, cada abraço, cada briga e em cada reconciliação. Ela não sabe nada sobre o nosso amor.

Cansada e vendo que não vai me convencer, ela dá um sorriso amarelo e diz que tem que acabar de arrumar umas coisas em casa. Finjo que acredito e deixo que ela vá. Ela vai me achando estranha por ainda “prender” meu homem. Eu fico, respeitando que ela faça de seu relacionamento o que quiser, mas não permitindo que opine no meu. 

Caio volta para casa no final do dia, olha-me e eu sei: ele escolheu voltar quando poderia ter nunca mais voltado. Ele tem a chave de casa, as malas guardadas no armário e seus próprios cartões de crédito. A porta fica aberta todo o tempo, a janela está escancarada e ele pode, a qualquer momento, arrumar suas coisas e ir para aonde quiser. Tudo fica a sua disposição, para quando ele se cansar desse relacionamento e decidir ir viver sozinho e bem longe de mim. Não há amarras, algemas, cordas nem nada. Depende só dele.

Na mente dele, eu sei, a ideia já passou muitas vezes. Depois de uma de nossas brigas sem sentido, principalmente quando joguei sua camisa de futebol pela janela ou quando ameacei usá-la como pano de chão. Ele respirou fundo, todas essas vezes, e reconsiderou a ideia. Decidiu ficar.

Ele decide ficar quando tem a escolha, quando é livre o suficiente para deixar para trás e ir tentar outra coisa, bem diferente do que temos. É livre para ir e, mesmo assim, volta sempre para os mesmos braços, para o mesmo peito e o mesmo amor. Liberdade, para mim e para ele, é poder ir, sempre ir, mudar, correr, fugir. E, mesmo assim, todas as vezes, todos os dias, mesmo com todas as brigas, não dar o braço a torcer e escolher sempre ficar, ficar, ficar, amar. Caio me beija e me carrega até o quarto. Somos felizes, livres, abertos e tudo isso sem precisar de outras pessoas entre a gente. Minha vizinha não tem nem ideia de quanto amor a gente multiplica.

Comentários

  1. awwwwn, acabei achando teu blog super por acaso, mas comofaz para eu para ler? geeeeeeeeeeente amei teus textos, são muuuuito bons, e muito bens escritos e bem pensados sabe, eu também amo escrever e tenho blog que coloco alguns dos meus textos também >< e nossa, eu tenho uma paixão platônica por Cai F, e adoro ficar achando trechos do que ele escreveu por ai, mas você sabe como é né, nem sempre colocam os tais importantes créditos, e lendo ai, descobri que na verdade é teu o texto né? *---------------* que lindo, ai pronto, apaixonei pelos teus textos de vez, parabéns pelo teu trabalho viu? s2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, fico muito feliz que você tenha gostado dos meus textos! <3 Sério mesmo! E pois é, o texto é meu, apesar de circular por aí como do Caio ahahahahahah faz parte. Tbm adooooro ele, por isso mesmo que não me sinto a altura de ter um texto confundido com os deles hahahahahahahaha Espero sua visita mais vezes por aqui, obrigada mais uma vez! <3
      beijos

      Excluir
  2. amei demais teu blog , achei ele por acaso e me identifiquei com alguns textos , são realmente lindos

    eu tbm tenho um blog ,não escrevo textos nele é um blog sobre cosméticos se vc puder dar uma olhada seria mto legal : http://coisadecabelo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. amei seu blog,estou seguindo.
    também escrevo (mas não tão bem assim) caso queria conhecer: http://www.avidaemletras.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …