4 de novembro de 2012

Nosso reencontro




Nossa, que bom te ver por aqui! Por um tempo, eu achei que a gente nunca mais ia se ver na vida. É estranho, não é? A gente imagina uma vida inteira ao lado de alguém e depois esbarra com ela por aí, como dois estranhos, e se dá bom dia ou boa tarde ou boa noite e continua o caminho, como se nada tivesse acontecido. Mas que bom esbarrar com você, poder ver você assim, feliz, bem, vivendo tudo o que queria viver. É bom saber que a vida seguiu pra mim e pra você e a gente não morreu por sentir falta um do outro.

Escuta, e sua mãe como vai? Ela ainda implica com as suas namoradas? Me conta um pouco como foi tudo depois que a gente acabou. Ela fez uma festa, chamou sua família, comemorou que eu saí da sua vida? Ela deve ter ficado feliz por ver você se livrar de alguém tão cheia de problemas e neuras e sonhos como eu, não é? Eu consigo até imaginar a cara de felicidade dela. Acho que essa foi a parte boa do nosso fim: sua mãe deixou de me ver como um fardo para você.

Me fala: você encontrou alguém exatamente do jeito que queria? Conseguiu finalmente alguém que correspondesse a todas as suas expectativas? Vai casar, formar uma família, virar finalmente alguém fiel? Aquelas coisas todas que você jurava que iria fazer quando encontrasse a mulher certa? Você encontrou a mulher certa? Aquela bem diferente de quem eu era para você? Porque para você eu sempre fui a que estava ali enquanto a mulher da sua vida não aparecia. Uma pena.

Posso te contar um segredo? Eu achei que a gente acabaria junto no final. Eu imaginei o nome dos nossos filhos, dos nossos cachorros e dos nossos gatos. Eu imaginei uma casa grande, uma família feliz, a gente saindo de férias e conhecendo todos os lugares que a gente sempre sonhou. Eu sei que eu fui boba e ingênua de imaginar um futuro ao seu lado. Mas ele era lindo, sabia?

Que bom que a vida passa, não é? E mostra que a gente, às vezes, erra nos sonhos. E erra na imaginação. Tudo não passou de uma ilusãozinha qualquer, uma imagem boba que eu queria para o futuro e coloquei quem apareceu no lugar. Eu vou casar sabia? Agora, com o cara da minha vida, que não apareceu enquanto eu estava com você.  Tá aí algo que eu não imaginava lá atrás: eu ser feliz com alguém que não tem nada de você. O tempo faz mesmo um bem danado...

Ah! Você continua sozinho? Sua mãe ainda não aprovou nenhuma das suas namoradas? Ah, ela até diz que sente a minha falta? Não apareceu a mulher da sua vida? Ninguém ainda que valesse a pena, que valesse a fidelidade, nem todo o seu amor? Nenhuma que correspondesse às suas expectativas, que se encaixasse no perfil certo, que fosse a tal da mulher certa? Ah, agora você acha que era eu a mulher certa? Que pena, amor. Que pena.



Comentários
7 Comentários

7 comentários:

  1. Nossa amei o seu blog parabéns e muito sucesso.Super seguindo.
    Bezzoo
    doce-insanidadee.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. a gente nao erra na pessoa nem no desejo
    quando acontece é o certo a gente curte e pronto
    mas se da um arrpendimento depois paciencia, todo mundo é certo durante um certo tempo
    parabens voce escreve muito

    te conheci la no casal sem vergonha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é né, em algum momento aquela pessoa já fez a gente feliz ahhaha
      Obrigadaa! <3

      Excluir
  3. Karine, te vejo como uma futura escritora. Sem mais, tu és incrível!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, muito obrigada! O elogio ficou como um ótimo presente de aniversário! hahahaha
      <3 Adorei ahahahah
      Beijos

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)