Pular para o conteúdo principal

"Você é uma garota crescida agora"



You made it there somehow

You're a big girl now


Até ontem, havia uma máquina de amigos imaginários bem aqui. Um baú de Barbies e uma princesa cheia de contos de fadas para viver. Os amigos imaginários ficaram perdidos em alguma parte do meu passado. O baú de Barbies foi doado. E, hoje, a princesa desceu do castelo, arregaçou as mangas e foi caçar muito mais coisas encantadas além do príncipe.

É, os 21 anos chegaram. Parece que foi ontem que eu fugia do palhaço no meu aniversário de 4 anos, morta de medo que ele descobrisse que a aniversariante era eu. A aniversariante sou eu outra vez, mas dessa vez eu tento me esconder do Tempo mesmo. Para ver se ele para de voar e me levar junto com ele.

Eu continuo deixando minha imaginação me vencer quando se trata de amizades, nessa mania de sempre esperar muito das pessoas. Eu ainda não aprendi a me decepcionar de um jeito bonitinho, calminho e civilizado. Mas eu diminuí o tom, abaixei a bola, comecei a aceitar que nem todo mundo é do jeito que eu espero. Nem eu mesma acabei do jeito que eu esperava.

Eu já posso entrar em qualquer cassino de Las Vegas. Mas eu ainda não sei um terço do que queria saber sobre o amor. E não sei nem 1% do que queria saber sobre a vida. Eu ainda não sei perder as pessoas que amo. Ainda não aceito doenças cruéis em pessoas boas. Ainda não sei segurar o choro, mesmo que todos zombem de minhas lágrimas. Ainda não sei ser saudável, nem comer pouco, nem fazer ginástica por prazer. Eu ainda não aprendi a dormir cedo e a acordar sem reclamar.

Eu aprendi a esperar menos da vida e a correr mais atrás das coisas que quero. Mas ainda não consegui parar de olhar para o meu próprio umbigo de vez em quando. Eu ainda quebro a cara, o coração e o bolso. Eu ainda tenho vontade de correr para os braços da minha mãe e me proteger de tudo e de todos em seu colo. Eu ainda acredito nas pessoas. Ainda acredito muito nas pessoas.

Não aprendi a esquecer tudo, não aprendi a lidar com o tempo voando, nem aprendi a gostar de aniversários. Mas aprendi a ser grata pelas pessoas que seguram minha mão e fazem a vida ter algum sentido. Aprendi a agradecer pelos parabéns, pelas amizades, pelas palavras amigas e pelos elogios. Então, obrigada. Por cada “parabéns”, por cada “feliz aniversário”, por cada amizade. Obrigada por estarem aqui. Quando tinham a opção de não estar. Obrigada.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …