Pular para o conteúdo principal

"Você não me conhece"

"Você não me conhece.
Mas me ama pra sempre porque te convém"
(Jay Vaquer)

Eu sei o jeito que você gosta seu café. Sei quando não consegue mentir, porque começa a coçar seu nariz como se fosse arrancá-lo. Eu sei sua cor favorita, o jeito que gosta de receber cafuné e aonde você gosta que eu te beije. E, por tudo isso e mais um pouco, eu saio espalhando por aí que eu te conheço. Você faz alguma coisa que eu imaginava que faria e eu solto: eu sabia, eu te conheço. Você divide comigo um pensamento típico de você e eu grito: tinha certeza que você estava pensando isso, eu te conheço. Pois é, eu te conheço. 

Mas não conheço. Não conheço mesmo

Em 60 minutos, eu penso coisas que nem consigo explicar. Coisas que não divido nem com a minha própria sombra. Segredos guardados a sete chaves dentro do meu inconsciente. Em 60 segundos, posso pensar atrocidades que ninguém nunca imaginaria. Nem quem me conhece muito bem (e isso é me conhecer pouquíssimo). Nem anos de terapia, nem mil textos de autoajuda, nem com centenas de segredos pelas páginas dos diários de infância: nada disso adianta. Eu tenho 20 e poucos anos, alguns planos, alguns sonhos, algumas conquistas, algumas decepções e uma certeza: eu não sei ao certo quem eu sou e acho que nunca vou saber. Não, eu não me conheço. Então, como eu poderia conhecer você?

Você pode me beijar e estar pensando seriamente em me deixar aqui sozinha amanhã. Você pode dizer que me esqueceu enquanto lembra do nosso último beijo. Você pode colocar um sorriso na cara e enganar todo mundo (até aqueles que dizem que sabem quando você está fingindo). Ninguém se conhece de verdade

Os silêncios que dividimos com outras pessoas guardam verdades que nunca serão reveladas. Por mais que o outro se abra, ele nunca irá se abrir totalmente. Dizem que em um relacionamento pode haver traição até pelo pensamento. Pois eu creio que se soubessem tudo o que eu penso, não iriam querer sequer ser meus amigos. De vez em quando, pensamos coisas que não faríamos, que não aprovamos, que não admitimos. Muito menos contamos tudo por aí, para que nos conheçam com a palma da mão. Nem para quem a gente ama

As pessoas dizem que se conhecem. E por isso se amam tanto.
Eu digo ao contrário: se alguém se conhecesse de verdade, o amor seria só uma utopia de contos de fadas.

A gente se ama porque não se conhece. 
E viva a isso!

Comentários

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …