Pular para o conteúdo principal

Ainda vai levar um tempo

Eu não sei. Eu queria poder te prometer que vai passar. Que eu vou conseguir lembrar de você com carinho, que não vou esquecer nossa história nem as coisas boas que você fez para mim. Mas ainda tem um buraco aqui dentro, a sensação de derrota, de saber que um amor que tinha tudo para dar certo acabou com gritos e mágoas e decepções. Talvez um dia a gente ainda ria disso tudo, mas não hoje. Lulu bem sabia: "ainda vai levar um tempo pra curar o que feriu por dentro". Você me feriu inteirinha e vai demorar para passar. Ainda vai arder um bocado. Ainda vou chorar um bom tanto. 

Guardar nossas fotos vai me fazer sofrer. Odeio lembrar o quanto a gente já foi feliz. Odeio lembrar como você já me fez feliz. Eu queria lembrar só as coisas ruins com você. Talvez doesse menos. Talvez estivesse liberada a raiva que eu devo sentir. Mas eu sinto raiva e tanto amor ainda. Ainda tenho um carinho tão grande, uma vontade enorme de te proteger. Me odeio um pouco cada vez que lembro de suas lágrimas. Como é que pude eu partir seu coração se foi você que foi embora?

Acho que é assim a cada final de uma história: a gente sabe que tem que acabar, mas fica por aí se perguntando onde foi que a gente errou. Eu tento relembrar, olho os flashbacks do nosso passado, procuro qualquer vestígio de onde foi que começou a dar errado. Não encontro. Tudo caminhava tão bem que eu não engulo esse fim de jeito nenhum. Por mais que eu saiba que não tem mais volta, que não tem retorno, que eu posso chorar o que quiser, a gente nunca mais vai virar "nós". 

Eu também nem posso dizer mais que te amo. Acho que amo só quem um dia a gente foi. Acho que amo tudo o que você fez para mim, tudo o que me ensinou, tudo o que me fez crescer. Talvez um dia esse amor estranho que ainda sinto, pelo nosso passado, vire memória. Talvez um dia eu te esqueça, talvez um dia eu te veja com outra e consiga sorrir. Ainda não. Ainda pulo no pescoço da primeira que resolver desfilar com você por aí só para me esfregar na cara que não estamos mais juntos.

Não estamos mais juntos. Essa é a parte mais difícil de falar em voz alta, principalmente depois de tantos anos. Eu queria saber como faremos daqui pra frente, queria saber quando cura, quando cicatriza, quando passa.

Mas escuto Lulu de novo para acalmar a ansiedade: "ainda leva uma cara pra gente poder dar risada".

Rezo mesmo pra gente ainda poder rir disso tudo. E sorrir ao lembrar como a gente já foi feliz.


Comentários

  1. Preciso dizer que tah maravilhoso?? :D

    ResponderExcluir
  2. Me inspiro MUITO em vc. Vc consegue escolher as melhores palavras e nem parece se esforçar muito para usar as mais corretas e lindas. Parabéns! Beeijo :*

    sentimentoemprosa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Nay, fico feliz!! <333333

      Excluir
  3. Adorei o texto.
    Seguindo floor!
    pos-descoertas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. pos-descobertas.blogspot.com
    Escrevi errado!

    ResponderExcluir
  5. Lindooo o texto Kah. Parabéns!!!

    Me identifiquei muito, e esses dias postei essa musica do Lulu no face, justamente a parte que você colocou aqui.
    Obrigado por expressar o que eu sinto, mesmo que sem querer.

    Bjusss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Débora, obrigada, linda! :DDD

      E essa música do Lulu é demais né? <333 sou apaixonada por ele! :D

      Excluir
  6. teus textos sempre lindos, awwwn *---------*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os comentários de vocês sempre fofos awwwwnnn ahhahahahaha :D

      Excluir
  7. muito bonito o texto amei :D

    ResponderExcluir
  8. Nossa, seus textos são tão perfeitos. Parece que você descreve minhas situações em cada um deles, sinceramente, sou sua fã. Lindo seus textos, escreve muito bem! :)

    ResponderExcluir
  9. Excelente texto, Karine! Estou acompanhando seu blog desde sempre, rs. @cafecomverso

    ResponderExcluir
  10. Aaa que linda!! Q sensibilidade! Delicadeza de palavras. Muito boa vc...Boa não. Diria ÓTIMA. A nova Tati Bernardi ( Se nao se importar de ser comparada, HAHAH). Tb escrevo, mas nunca teria coragem de postar :/ Bjos e continue assim!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, que linda, Leidy!

      Obrigadaaaaaaa! E sem essa de falta de coragem, vá em frente!

      Beijão <3

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …