Pular para o conteúdo principal

O dia em que assumi que te amava



A noite tinha sido fantástica. Eu quase adormecia em seus braços, você tinha a respiração calma, e eu tive a primeira grande certeza da minha vida:
eu tinha nascido para aquele lugar. Os seus braços. E aí, antes que eu pudesse deixar minha maldita boca bem fechada, eu disse. A voz rouca, os olhos fechados, a respiração presa: acho que eu amo você. Você não respondeu.
Não soube se você nunca chegou a ouvir ou ainda não me amava. Adormeci depois de ter me jogado em um precipício, sozinha, sem sinal de cama elástica no fim da queda. Eu sabia que estava me metendo em uma enrascada, mas tinha a leve impressão de que por você valia a pena. Eu amava você. E estava feliz por assumir pela primeira vez: para mim e em voz alta. 
Eu entreguei meu coração inteirinho para você naquela noite. Embrulhei para presente e guardei direitinho em uma frase sussurrada, depois de uma noite de amor. Deixei no cantinho da sua cama, para que você acordasse e pudesse sentir todo o meu amor por você. Através do meu coração embrulhado e do meu beijo de bom dia. 
Você acordou e não disse o "eu te amo". Fomos tomar café e nada dele. Saímos escondidos e ele continuou sem aparecer. Conversamos, nos beijamos, fomos para a cama outra vez e eu fiquei esperando que ele resolvesse dar as caras. Você não disse o "eu te amo" nos dias seguintes. Nenhuma de suas variações. Eu já havia aprendido, em meus outros relacionamentos, que não podia esperar amor em troca das outras pessoas. Mas era você, o cara que me agarrava depois de uma briga e me beijava como se não houvesse amanhã. Era você, aquele que sempre acabava correndo para os meus braços quando descobria que as mulheres por aí não chegavam aos meus pés. Era você, o cara que me fez trair pela primeira vez. E que me transformou em amante mesmo quando eu condenava a traição. Era você e eu achei que podia te amar com calma, sem culpa e sem neuras
Outros "amo você" quiseram sair em outras situações. Guardei, segurei, mordi a língua, tranquei o coração. Esmaguei no peito todo o sentimento, para te dar a chance de me amar de volta, sem me achar a louca apaixonada. Seu "eu te amo" apareceu em uma tarde qualquer, depois de uma de nossas brigas. Veio quando eu já não esperava, e eu pulei em seus braços, crente que, sim, eu tinha pulado do precipício, mas você era o meu paraquedas
Hoje, depois de tudo, olhando assim para atrás, eu não me arrependo de ter dito que amava você. Nem da primeira vez nem das outras centenas de vezes. E eu disse, gritei, escancarei para o mundo em entrelinhas que todo mundo entendia. Não me arrependo de ter assumido que te amava. Ter assumido que te amava não foi nada.
Ruim mesmo foi ter amado você. 

Esta é uma série desenvolvida em parceria com a Nanda Campos, para ler a versão masculina desse conto clique aqui

Comentários

  1. Lindooo o texto Kah. Realmente não ter essa resposta quando a gente quer é ruim demais.

    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  2. Caraca, muito bom!!! Adorei o texto!
    Ai, essa incerteza se o outro nos ama ou não :s

    http://doiss2.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa incerteza é horrível, não é?

      E obrigadaaaaaaa pelo comentário!

      Excluir
  3. Gente, impressionante como você sempre me surpreende. Estou encantado com seu texto! Infelizmente é ruim demais quando dizer ''eu te amo'' não é recíproco, mas antes um grande amor silencioso do que um ''eu te amo'' gritado e vazio. Amei, amei, amei. Beijo! ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, adoro surpreender, de vez em quando eu me repito taaaaaanto :( HAHAAHHAHA
      Que bom que gostou, Hélio, eu adoro seus comentários <3
      Beijão

      Excluir
  4. Amei demais! O que você escreve é sentido.. Eu amo ler algo e sentir algo assim que leio e você conseguiu isso.. Parabéns, lugar incrível!! beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, obrigada, Pâmela! Fico muito feliz que goste! Beijos

      Excluir
  5. Nossa gostei do texto e é a triste realidade vivida por muitas garotas e garotos também.

    http://enfimshakespeare.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Cara, que texto incrível! Você escreve bem demais!
    Tem um talento enorme, parabéns!

    Beijinhos
    http://blog-littleb.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Recomendaram seu blog pra eu conhecer e eu vim aqui e adorei seus textos <3 Estou seguindo seu blog, viu? Estou precisando ler algumas coisas pra me inspirar a escrever mais rs
    Se quiser conhecer meu blog, não é de textos, fique a vontade! <3
    http://estilo-romantica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, jura que andam recomendando meu blog? Que lindo! :D E que bom que você gostou, Carol! Apareça mais vezes por aqui, com sugestões e críticas quando necessário.

      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …