Pular para o conteúdo principal

O dia que eu não soube andar de bicicleta


Eu desaprendi a andar de bicicleta.

É, pois é, decidi contrariar todos os ditados populares e desaprendi. Um dia, eu tinha nove anos e ia de um lado para o outro, com minha super bicicleta rosa da Barbie sem rodinhas. Eu me achava a dona do mundo. Coitada, tão novinha. Coitada, crente que estava arrasando porque conseguia se equilibrar em duas rodas.

Nesse meio tempo, entre meus nove anos e os 21, já achei que sabia muita coisa nessa vida. Achei que via sentido nas coisas, achei que sabia a religião certa, achei que sabia responder qual é a resposta dessa porra toda. Achei que sabia pra onde as pessoas iam quando morriam, achei que sabia o que elas pensavam, achei que sabia o que era amizade verdadeira e eterna. Achei até que sabia amar. Coitada da menina, cresceu crente que dá mesmo pra aprender alguma coisa pra sempre nessa vida.

Não tenho mais religião, não sei qual é o sentido de tudo, nem qual a resposta pra porra toda. Não sei se há vida após a morte, nem ouso mais tentar adivinhar o que as pessoas pensam (já seria de bom proveito se eu conseguisse decifrar meus próprios pensamentos). Não sei se existe amizade eterna, nem sei se sou amiga o suficiente de quem eu amo. E, definitivamente, já descobri que não sei amar.

Quando tentei a montar novamente uma bicicleta, tantos anos depois daquela menina obcecada pela Barbie, eu não consegui. Caí, entortei, não saí do lugar. Desaprendi a andar de bicicleta. E quase quis chorar por isso. Como é que alguém deixa de saber como andar de bicicleta? Que espécie de mundo é esse? Que espécie de pessoa eu sou?

Aí olhei para trás e vi que já desaprendi e aprendi tanta coisa nessa vida.

Esquecer como se anda de bicicleta não é nada.

Difícil mesmo é aprender, realmente, como é que se faz pra viver por aí. 

Comentários

  1. Seus textos são os melhores, sério! Se você tivesse livros, eu compraria tooooodos! OSKAOSK Sei que não sou escritora como você, mas passa lá ? http://olhosnosolhoss.blogspot.com.br/ Gostaria que você desse uma olhada! fica com Deus :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!!! Um dia, se Deus quiser, lanço um livro hahahahahahaha :D

      Quando der, passo no seu blog sim!

      Beijão!

      Excluir
  2. que texto lindoooo, me identifiquei muito! parabéns ka pelo talento, beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Mylena!
      Fico feliz que tenha gostado!
      Volte sempre aqui pra falar sua opinião!

      Beijos

      Excluir
  3. Que blog *-* !!!
    Você escreve mtoooo! lindo lindo!!

    annagranado.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anna, obrigada! Ter a opinião de vocês é muito importante!
      Beijos

      Excluir
  4. lindo texto,
    descobrir seu blog pelo depois dos quinze e amei!
    já está nos meus favoritos!

    beijos
    http://acessóriosecafeina.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Stella, que bom que veio conhecer e gostou! Fiquei feliz <33
      Volte sempre pra falar o que está achando, é muito importante para mim!

      Beijos

      Excluir
  5. A gente se pega desaprendendo tanta coisa que achava impossível desaprender :/

    http://amoresepipoca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Viver e andar de bicicleta possuem mais coisas em comum do que parece.
    Viver é aprender e reaprender. Errar e corrigir. Ouvir, observar, falar e agir!(Ou não agir! rsrs...). Cair e levantar.

    No fim, andar de bicicleta nada mais é do que uma forma de viver.
    No fundo, a gente nunca esquece. Só precisa reaprender a pedalar... ou reaprender a viver.

    Quando reaprender a andar de bicicleta, tire uma foto. Compare com todas as outras de sua vida. Notará um sorriso muito mais aberto do que nas fotos anteriores.
    É a prova de mais uma conquista. Mais uma dificuldade vencida. O sorriso de uma realização! Felicidade por não ter desistido e superado obstáculos (mesmo passando por certas vergonhas e micos).

    Ah! Sem esquecer que pedalar faz bem! (assim como viver também)
    Boa semana. Bom texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você falou tudo, Isaac!
      É isso mesmo!

      Obrigada,
      Beijos

      Excluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …