Pular para o conteúdo principal

Seja bem vindo, 2013


“E que venham novos sorrisos, novas histórias e novas pessoas”
(Caio F).


Não tive as sete ondas para pular. Coisa de quem foi passar o réveillon no interior. Mas de resto fiz de tudo: comi as uvas, usei a lingerie nova, joguei champagne pelo ombro direito e mentalizei coisas positivas. Ainda que não faça grande diferença. Mal não vai fazer, não é? Digo, ultimamente eu tenho pedido para todos os santos, tenho feito promessas e tenho saído por aí com novas atitudes. Nada disso tem ajudado. Vou ver se Iemanjá, Deus ou Alá ajudam. O que eu quero nem é tão difícil assim. Só uma página todinha em branco. É lá pedir muito?

Vou explicar melhor então, 2013. No primeiro dia de todos os outros anos, eu sempre esperei algo melhor: um amor, um emprego, ou um desejo qualquer. Eu fiz prece pela Mega da virada. Eu rezei para algum parente melhorar. Todos os outros anos. E ouvi sempre a mesma coisa: não é o ano que tem que mudar, é você. Como se eu não soubesse. Como se a gente não soubesse, não é, ano novo? Mas enquanto os fogos estão no céu, enquanto o champagne está sendo estourado, lá no fundo, a gente sempre tem um desejo secreto. A gente sempre espera alguma coisa do ano que vem. Vou dizer então o que eu espero de você: novas chances.

Eu mudei, 2013. É só olhar para trás e ver quem eu costumava ser. Eu respirei fundo, acabei com manias, aceitei ironias, perdoei erros, conheci novas pessoas, mudei meu círculo de amizades. Tomei novas atitudes, como todos disseram que eu devia fazer. E foi bom, 2013. Mas ainda não o suficiente. Todas essas mudanças foram feitas em cima da mesma página de todos os outros anos. Tem muito rabisco pela folha. Risquei e apaguei coisas demais. Já deu. Digo, essa página já tinha que ter sido virada há séculos.

Peço então a próxima página. A nova chance. Uma nova caneta. Não quero reescrever uma história desgastada, 2013. Eu quero é começar a escrever uma nova fase. Quero sim, como diria Caio, novos sorrisos, novas histórias e novas pessoas. Mas, antes de tudo, eu quero só uma folha.

E todo o resto, pode deixar. Quem vai fazer sou eu.   

Comentários

  1. Eu desejo a mesma coisa uma nova página pra ter uma nova chance para eu ter certeza quem eu sou de verdade, uma nova página śo para prova pra mim mesma e para o mundo que eu consigo ser melhor.

    Lindo o texto parabéns que você tenha um lindo 2013

    http://www.fragmentos-intensos.com/

    ResponderExcluir
  2. AMEI ! *-* vc arrasa sempre Kah :*
    sentimentoemprosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. adoreeeei!
    futilidadesonline.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …