Pular para o conteúdo principal

A carta que eu queria te entregar



Oi, mãe.

Não sei se você sabe, mas hoje é um dos dias mais importantes da minha vida. Talvez, depois de hoje, nada mais tenha o mesmo impacto. Minhas pernas, provavelmente, não irão tremer tanto outra vez. Minhas mãos não irão suar como hoje nunca mais. E acho que nunca irei sentir sua falta assim de novo.

Eu sinto sua falta, mãe. Desculpa não ter falado isso no meu aniversário de 7 anos, quando você tentou me abraçar e eu fugi. Desculpa não ter assumido no aniversário de 15 anos que você quis me dar e eu nunca aceitei. Desculpa não ter te contado nas vezes em que você tentou, minimamente, ter um relacionamento comigo e eu me escondi em drogas, bebidas, festas e más companhias. Desculpa não ter revelado, mãe. Eu sentia sua falta todas aquelas vezes.

Eu sentia sua falta quando você arranjava um novo namorado e era mais mãe dos filhos deles do que minha. Eu sentia sua falta quando você se trancava no escritório e não ia às reuniões da minha escola. Eu sentia sua falta quando eu era expulsa de um colégio e, ao invés de você perguntar o que eu tinha feito, você perguntava quanto devia pagar para que me aceitassem de volta. Eu sentia sua falta quando você esquecia meu aniversário, quando não aparecia nas festas de dia das mães e quando me deixava voltar sozinha para casa. Eu senti sua falta, mãe, acho que a vida inteira.

Mas acho que hoje será o dia em que sua ausência irá se notar mais presente. Você não vai estar lá, mãe. Eu te mandei um convite que, tenho certeza, você nunca nem abriu. Chegamos nessa fase em que você desistiu de mim, depois de eu já ter desistido tanto de você. Acho que nossos gritos, nossas brigas, nossos xingamentos e nossas ofensas nunca vão passar, não é? Mas eu te queria aqui. Hoje, eu juro, assumo, eu te queria aqui, mãe.

Eu estive pensando em você nos últimos dias. Em como eu queria que você me ajudasse a escolher meu vestido, ou como sua opinião seria importante sobre esse cara que está entrando para sempre na minha vida. Eu estive pensando que nunca pedi sua opinião sobre nada, mãe. Isso não é horrível? Eu nunca quis saber o que você achava dos meus antigos namorados. Nunca pedi ajuda para escolher minha profissão. Eu nunca quis ouvir o que você pensava sobre eu ter dito, aos 11 anos, que eu queria morar com meu pai e nunca mais te ver. Eu nunca quis ouvir nada de você, mãe. Acho que é por isso que agora eu queria tanto escutar sua voz.

Hoje, tantos anos depois, eu consigo assumir o que minha adolescência rebelde nunca acreditou: você sabia mais do que eu. Você sempre soube mais do que eu da vida, mãe. Pelos seus tantos anos a mais, pelo seu choque de realidade brusca vivido na infância, que eu não consigo nem imaginar. A mulher de hoje dá o braço a torcer: eu deveria ter te escutado mais. Eu deveria ter aceitado suas limitações, seu jeito torto de gostar das pessoas, seu jeito rude de dizer eu te amo. Eu devia ter pegado a blusa de frio, o guarda-chuva e todos os seus conselhos. Eu devia ter acreditado quando você disse que aqueles amigos não me levariam a lugar nenhum. Ah, mãe, como eu queria ter te escutado mais. Como eu queria que você tivesse ouvido mais meus gritos de socorro também.

É uma pena, mãe. É uma pena que você não vá estar lá. É uma pena que a gente não se fale. Me diz você: como é que mãe e filha não se falam mais? Talvez um dia, mãe, eu reúna coragem e vá atrás de você. Talvez eu te apresente meus futuros filhos e talvez você seja uma vó muito melhor para eles do que foi mãe para mim. E tudo ficará bem. Porque você não soube ser mãe, mas eu também nunca soube ser filha. Então acho que estamos quites, mãe. Quites.

Hoje, eu entro na Igreja e você não vai estar lá. Mas eu espero que, um dia, eu possa, finalmente, te convidar para um jantar qualquer. E dizer algo que eu nunca te disse: eu te amo, mãe. Sempre amei. Sempre vou amar. 




Esse texto surgiu após uma sugestão da leitora Iara Kimi. Espero que você goste. 

Comentários

  1. que texto triste ! Mas lindo! Mostra o arrependimento de quem nunca tentou. Não imagino minha vida sem a presença da minha linda mãe! com seus erros e acertos me faz sentir que posso ser o melhor de mim mesma :) PARABENS PELO TEXTO KA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ficou triste, né Leidy? Mas que bom que você conseguiu captar exatamente o que eu quis passar!
      Obrigadaaaa! <3
      Beijos

      Excluir
  2. Nossa é incrível como vc escreveu tudo que eu sentia quando tinha meus 15 anos eu acha que minha relação com minha mãe ia terminar assim, mas felizmente tudo deu certo no fim.
    Poxa Karine feliz por ter te ajudo o texto ficou muito mais que lindo parabéns pelo talento

    Beijos

    http://www.fragmentos-intensos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que curtiu, Iara <33
      Obrigada mais uma vez pela ideia!

      beijos

      Excluir
  3. Texto maravilho Kah.

    Triste, mas muito verdadeiro. Como disse a leitora de cima, não consigo imaginar minha vida sem a minha mãe!!!
    Mas, gostei do assunto abordado, diferente.

    Parabéns, muitoo bom :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Débora. A ideia foi diferenciar mesmo!
      E eu concordo que ficou triste hahahaha

      beijos

      Excluir
  4. Ok, eu nunca comentei aqui mas desta vez eu tive que comentar. Tu escreve muito bem! Faz arte e expressa os sentimentos que você sente, ou não, perfeitamente e lindamente. Esse texto foi apenas mais uma das provas disso. Sou sua fã e vou sempre acompanhar seu trabalho! Morro de amores por seus textos, todos eles <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, obrigada, Lara! Sério, valeu mesmo pelo comentário e pelos elogios! Beijão

      Excluir
  5. Lindo lindo lindo! Não tenho nem o que dizer mais..
    Acho que já comentei, mas repito: você escreve muuuito bem! ^^
    Beijos.
    http://thief-of-words.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Awwwwn, obrigadaaaaaaa!
      Tava precisando ler isso, tava com um desânimo da vida :/ hahahaha
      Valeu, Debora

      Beijos

      Excluir
  6. texto muito lindo!!
    com ele pude perceber o quanto eu e minha mãe nos amamos apesar das briguinhas...
    É minha mãe é uma rainha, ela nunca foi em reuniões de escola mas ainda sim eu a amo quantas vzs ela sacrificou sua felicidade só para me ver sorrir!
    Parabéns por esse lindo texto KarinE' amei!!

    ResponderExcluir
  7. Que texto lindo *-* ' parabéns pelo texto :)

    ResponderExcluir
  8. que lindo, me identifiquei muito estou passando por isso :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …