Pular para o conteúdo principal

A última vez que te peço pra ficar

Se você passar por aquela porta, acabou. É a última vez que digo isso e, dessa vez, é pra valer. Do lado de lá, há um mundo de oportunidades, é verdade. Você pode esbarrar com a nova garota da sua vida, pode arranjar alguém que não te cobre ou pode descobrir uma vida de solteirice bem mais divertida do que nossos jantares a dois. Do lado de lá, não vai ter ninguém para pegar no seu pé quando você fizer algum comentário estúpido, ou quando deixar a casa bagunçada ou ainda quando ficar insuportável por causa do seu time de futebol. Mas já fica aqui o aviso de antemão: se desistir de nós dois, não vai ser só até amanhã, como você sempre faz. Depois daquela porta, vai ser só você de hoje em diante.

Aqui dentro, a minha decisão já tá bem tomada: essa é a última vez que eu te imploro para ficar. Fica! Mas fica inteiro, sem dúvidas, sem neuras, sem mágoas. Não fica só por preguiça, nem por acomodação. Fica porque você me ama, porque não quer me perder, porque ainda se lembra de tudo o que a gente viveu até aqui. Se não lembra, tenta lembrar. Tenta se lembrar do que valeu a pena. E do que não valeu também. Tenta lembrar as nossas brigas, os nossos gritos e tudo o que a gente superou. Tenta lembrar as coisas que a gente engoliu por conta do que você jurava ser amor. Tenta resgatar aí na sua memória, vai. Não deixa a raiva te vencer, nem faz as coisas sem pensar. Porque se você for, eu não vou lutar pra te fazer voltar.

Eu sei. Parece coisa de gente que já desistiu, mas é só porque desse lado também há um coração cansado e machucado. E olha só, masoquista que sou, continuo aqui, disposta a esclarecer, disposta a tentar, disposta a ficar. Eu fico. Mas você tem que ficar também. Tem que ficar de vez. E a gente se ajeita, se arruma, apara as arestas, finaliza as brigas, esquece as ofensas que ficaram para trás. Ainda dá para salvar o que os anos guardaram de bom. Eu juro: a gente ainda não estragou tudo. Aqui dentro, pelo menos, ainda há muito amor.
Mas a porta tá aberta: a de casa e a da minha vida. A partir do momento em que você passar para o outro lado, as chaves vão ser passadas e sua entrada proibida. Você pode ir embora, é claro. Você tem o direito de cansar, de não querer mais, de desistir de nós dois. Mas, por favor, pensa bem. Pensa bem porque se você for embora, dessa vez eu não espero. Não vou deixar os objetos esquecidos na gaveta, não vou manter o status de compromisso nas redes sociais, nem vou esconder dos meus pais que a gente acabou. Sem reconciliações, sem amizade colorida, sem nossos mil perdões. Se a gente acabar dessa vez, acabou mesmo. O fim vai ser o fim. Escutou?
Se você passar por aquela porta, vai me doer, vai ser horrível, vai parecer o fim de tudo para mim. Mas depois eu vou ser obrigada a levantar, seguir a vida, entregar suas coisas e te deletar daqui. Se você desistir, não diga que eu não avisei, amor: a gente acabou.

Texto publicado no blog Depois dos Quinze, da Bruna Vieira, no dia 15/02/2013. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Cansei de brincar de ser trouxa

Eu cansei das mensagens visualizadas e não respondidas. De ter que estar pronta pra quando você quisesse, mas nunca poder contar com sua presença quando eu queria. Eu cansei de ser sempre tudo do seu jeito, de mendigar sua atenção, de tentar me encaixar entre um horário e outro da sua agenda, de me esforçar pra caber nuns buraquinhos esquecidos da sua vida. 
Cansei das idas e vindas, cansei da falta de atitude, cansei das vezes em que você disse que eu era tudo o que você queria, só não era agora, só não era a hora. Eu cansei de escrever sobre você, de dizer que ia te esquecer, de voltar atrás, de tentar mais um pouco, de insistir mais um tanto. Eu cansei naquela noite em que você não voltou. Naquele silêncio em que a gente não dividiu. Na madrugada inteira que você não me aqueceu e eu morri de frio. 
Eu cansei depois daquele seu olhar vazio quando eu apareci de surpresa. Eu cansei de achar que era você, e era eu, você só não sabia. Porque, quando é, a gente sabe desde o começo. Eu cans…