Pular para o conteúdo principal

As vezes que fez o meu mundo tremer

Você foi a primeira voz que ouvi (e me importei) depois de tudo. Você parecia desesperado, como se tivesse passado por aquilo também. Como se tivesse sentido o chão abrir, como se também tivesse pensado que iria morrer, como se também tivesse pensado que acabaria ali. Nós dois, eu digo. Quando você ligou, tive vontade de assumir que pensei em nós dois quando tudo começou a tremer. Mas só calei. Porque lembrei que terremoto nenhum teria o poder de balançar o meu mundo como você fez todas as vezes que disse adeus.

terremoto derrubou muros, derrubou casas, destruiu vidas. Me fez ter muito medo também. Me arrancou lágrimas. E me deu uma vontade imensa de declarar amor para todo mundo com quem me importo. Até você. Eu tive muito medo de perder você (como se eu já não tivesse perdido). Mas aí você me ligou e um novo terremoto começou dentro de mim antes mesmo de atender. E eu lembrei que não importa quanto tempo passe, nem quantos muros de indiferença eu construa para mostrar que você não é tão importante, você sempre tem o poder de destruir tudo em mim.

Eu não quis que você soubesse que eu estava bem. Não quis te contar que estava sã e salva. Nem que o perigo já tinha passado. Pode me chamar de egoísta se você quiser. É o que você sempre faz mesmo. Fui monossilábica em toda a conversa, sim. E reparei sua decepção depois de tanta preocupação também. Eu só queria que você percebesse que ainda continuava tudo ruim. Que eu continuava destruída, que os destroços ainda estavam aqui. Eu queria que você percebesse que por mais que eu estivesse reconstruindo uma vida inteira, meu coração continuava acabado depois de você. Eu ainda amargava o fato de você ter desistido de mim. Sem nem chegar a tentar de verdade.

terremoto passou e eu logo voltei para casa. Não me machuquei, não tive grandes danos. Não virei escombros, não me vi perdida em um mundo de caos. Fui embora e deixei virar só mais um capítulo da minha vida. Balançar meu mundo mesmo, só você consegue. A gente sabe. Terremoto nenhum acaba tudo em mim mais do que você. E todas as vezes em que fez o meu mundo tremer.



Esta é uma série desenvolvida em parceria com a Nanda Campos, para ler a versão masculina desse conto clique aqui

Comentários

  1. Que coisa mais linda! Consegue descrever tanto eu mesma.. lindo lindo lindo!
    Bjs.
    http://thief-of-words.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Debora! Que bom que gostou!

      Excluir
  2. Nossa eu amei, principalmente por que me identifiquei com algumas partes, vou la no outro link para ler a versão masculina (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jessica! Ah, que bom que curtiu, fiquei super feliz!
      Beijos

      Excluir
  3. De boca aberta com esse texto.
    Parabéns Kah.... maravilhoso.
    Porém, me lembrou de tudo que passei nesse último mês :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostou, Débora? Que bom!
      Mas ah, espero que esse mês seja melhor que o último então :/

      Excluir
  4. Sabe Karina eu adorei demais esse texto e sempre vou amar qualquer um dos seus texto, acabei de descobrir que você me inspira, muitas vezes eu estava com um certo bloquei mental e li alguns dos seus texto e pronto conseguia colocar pra fora todos os meus sentimentos, então obrigada.

    Beijos eu sempre vou está por aqui viu

    http://www.fragmentos-intensos.com/

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bom que ler meus textos te inspira, Iara! Adoro quando isso acontece, eu leio o texto de alguém e consigo ter surtos criativos ahhahahaha

      Obrigada pela visita e te espero sempre aqui mesmo!

      Beijão

      Excluir
  5. Texto lindo, cheio de trechos que da vontade de sair escrevendo por todo lado pra ficar gravado. Amei! ♥

    ResponderExcluir
  6. seus textos são maravilhosos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Marcela <33
      Espero seus comentários mais vezes por aqui! <33

      Excluir
  7. Perfeito!!
    Beijos,

    http://olhosnosolhoss.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostou do post? Deixa sua opinião ou sugestão de post aqui que a gente vai adorar ler! ;)

Postagens mais visitadas deste blog

A história do fim de uma amizade

Você sentiu falta. Ligou, procurou, correu atrás. É estranho que isso tenha acontecido depois de tanto tempo. É estranho que tenha acontecido quando a alegria acabou, o namoro acabou, aquela sua maré ótima acabou. É estranho que você tenha buscado o colo e não a comemoração. Você sentiu falta, e eu queria que isso tivesse acontecido antes. Sentiu falta, e eu queria que eu voltasse a me importar com isso. 
Você veio, me abraçou, e teve um abismo enorme entre nossos dois corpos. A gente não soube o que falar, não soube até onde podia ir uma com a outra, não soube que novidades contar, não soube nada. Rimos aqui, ali, falamos aquele superficial que falamos com uma colega qualquer e depois nos perdemos em um silêncio que durou minutos, mas pareceu durar uma vida. 
Durou uma vida. Nossa amizade, tantos anos de risadas, de abraços, de choros, de lágrimas. E por isso é quase desumano soltar a mão de alguém que esteve com a mão entrelaçada na minha durante todo esse tempo. Mas acredito que nos …

Querido namorado da minha ex-melhor amiga,

Ela chorou durante uma semana quando o primeiro cara quebrou o coração dela. E a gente passou o fim de semana vendo Diário de Uma Paixão e Um Amor Pra Recordar por vezes seguidas. A gente comeu brigadeiro, e tomou sorvete, e eu dei colo, e eu ouvi e limpei as lágrimas. Você não viu, porque você não tava lá, mas eu tava. 
Ela sofreu para escolher que faculdade iria fazer. E me fez ir a palestras e cursos com ela, mesmo que eu não estivesse interessada em nada daquilo. E me fez saber um pouco mais sobre as profissões que tava considerando. E pediu minha opinião milhões de vezes. E só decidiu o que iria prestar no vestibular aos quarenta e cinco do segundo tempo. Você não ficou nervoso com a ansiedade de ver se ela tinha passado na faculdade pública, mas eu fiquei. Porque você não tava lá, e eu tava. 
Ela conheceu um monte de babacas nos anos seguintes. E algumas vezes chorou, algumas vezes bebeu, algumas vezes disse que nunca mais ia ficar com cara nenhum. Algumas vezes ela só dormiu com …